Ano 2012 - Volume 32, Número 10


Título
Utilização de vagens de Prosopis juliflora na alimentação de ovinos e caprinos, 32(10):987-989
Autores

Resumo
RESUMO.- Riet-Correa F., Andrade F.R.M., Carvalho F.K.L., Tabosa I.M., Galiza G.J., Bernardino N., Simões S.V.D. & Medeiros R.M.T. 2012. [Use of Prosopis juliflora pods as food for sheep and goats.] Utilização de vagens de Prosopis juliflora na alimentação de ovinos e caprinos. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(10):987-989. Hospital Veterinário, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande, Campus de Patos, PB 58708-110, Brazil. E-mail: rmtmed@uol.com

Sinais nervosos associados à ingestão de vagens de Prosopis juliflora tem sido descritos em caprinos adultos pastejando continuamente em áreas invadidas por esta planta. A doença não tem sido constatada em ovinos, mas nesta espécie o pastejo em áreas invadidas por P. juliflora tem sido associado à ocorrência de malformações. O presente trabalho objetivou estudar a toxicidade sobre o sistema nervoso e o efeito teratogênico de vagens de P. juliflora (algaroba) em ovinos e avaliar a sua toxicidade em caprinos. Para isso foram realizados três experimentos. No Experimento 1, grupos de quatro ovinos receberam vagens na concentração de 0, 60% e 90% da alimentação durante um ano. No Experimento 2, sete ovelhas ingeriram vagens, em quantidades equivalente a 2,1% do peso corporal (pc) durante toda a gestação. No Experimento 3, três caprinos receberam vagens em quantidade equivalente a 1,5% do pc por períodos de 264, 474 e 506 dias. Nenhum animal experimental apresentou sinais nervosos e no Experimento 2 todas as ovelhas pariram cordeiros normais. Esses resultados sugerem que as vagens de algaroba podem ser utilizadas sem restrição na alimentação de ovinos. Em um trabalho anterior as vagens de algaroba, nas concentrações de 60% e 90% da alimentação, causaram intoxicação em caprinos após 210 dias de ingestão o que sugere que ocorrem variações na toxicidade das vagens. Recomenda-se que caprinos não permaneçam em áreas invadidas por algaroba por mais de um período de frutificação da planta.
Download / Visualização