Ano 2012 - Volume 32, Número 10


Título
Avaliação terapêutica e posológica da levotiroxina sódica em cães com hipotiroidismo primário adquirido, 32(10):1030-1036
Autores

Resumo
ABSTRACT.- De Marco V., Silva R.M.T., Karamm M.A., Florio J.C. & Lorigrados C.A.B. 2012. [L-levothyroxine therapeutic dosage evaluation in dogs with primary hypothyroidism.] Avaliação terapêutica e posológica da levotiroxina sódica em cães com hipotiroidismo primário adquirido. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(10):1030-1036. Setor de Clínica Médica, Hospital Veterinário, Faculdade de Veterinária, Universidade Santo Amaro, Rua José Portolano 57, Jardim das Imbuias, São Paulo, SP 04829-300, Brazil. E-mail: vivianidemarco@terra.com.br

O hipotireoidismo primário adquirido é uma endocrinopatia frequentemente diagnosticada na espécie canina. A terapia consiste na suplementação oral com levotiroxina sódica (L-tiroxina), no entanto vários protocolos terapêuticos têm sido propostos pela literatura, com doses variando 11 a 44µg/kg uma a duas vezes ao dia, visto à grande variabilidade de absorção e meia-vida plasmática do fármaco. Foram estudados 30 cães com hipotiroidismo primário adquirido (13 machos e 17 fêmeas, idade média de 7,9±1,9 anos e peso médio de 19,1±12,6 kg) atendidos no Hospital Veterinário da Universidade Guarulhos (UnG) e no Serviço de Endocrinologia de duas clínicas particulares da cidade de São Paulo (2009-2011), com o objetivo de avaliar a posologia e a frequência de administração da L-tiroxina, mais frequentemente utilizada, capaz de garantir um controle terapêutico satisfatório, avaliado através dos sinais clínicos e do teste pós-tiroxina, além de correlacionar a dose de tiroxina empregada com o peso dos animais. A dose média de tiroxina utilizada em nossa casuística foi de 16,9±3,1µg/kg, sendo a frequência de administração a cada 12 horas em 50% dos casos. Para se investigar uma possível correlação entre o peso e a dosagem de tiroxina utilizada, uma vez que cães de pequeno porte apresentam maior taxa metabólica que cães de grande porte, os animais foram agrupados em grupo A, cães com peso ≤10 Kg (n=12/30; 7,7±2,1 kg) e grupo B, cães com peso >10 kg (n=18/30, 26,8±10,7 kg). A dose média de tiroxina empregada nos grupos A e B não apresentaram diferença estatística e foram, respectivamente, 16±3µg/kg e 17±3µg/kg. A frequência de administração foi 50% a cada 24 horas e 50% a cada 12 horas para ambos os grupos. Dessa forma, a dose de tiroxina não parece se correlacionar com o peso do animal, sendo imprevisível quem deverá receber dose e frequência máxima da medicação. O protocolo deve ser individualizado e o paciente devidamente monitorado.
Download / Visualização