Ano 2012 - Volume 32, Número 12


Título
Toxicidade dos piretróides sobre Jundiás, Rhamdia quelen, 32(12):1297-1303
Autores

Resumo
RESUMO.- Montanha F.P., Galeb L.A.G., Mikos J.D., Ganeco L.N., Pereira T.P., Tanaka A., Kirschnik P.G. & Pimpão C.T. 2012. Pyrethroid toxicity in silver catfish, Rhamdia quelen. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(12):1297-1303. Laboratório de Pesquisa e Piscicultura, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Rodovia BR 376 Km 14, Bairro Costeira, São José dos Pinhais, PR 83010-500, Brazil. E-mail: chicopm28@yahoo.com.br

O presente estudo teve o objetivo de determinar a concentração letal e subletal da cipermetrina por via hídrica em 96 horas em jundiás (Rhamdia quelen) jovens, determinar a concentração subletal da cipermetrina e da deltametrina durante o período inicial do desenvolvimento embrionário do Rhamdia quelen e verificar suas respectivas taxas de fertilização, eclosão e sobrevivência. Os piretróides são inseticidas amplamente utilizados atualmente e apresentam alta toxicidade para peixes. Para determinação da concentração letal e subletal foram utilizados 120 jundiás com peso médio de 59,58±4,50g e comprimento médio de 20,33±2,34cm. As concentrações utilizadas foram 0; 1,0; 1,5; 2,0; 2,5; 3,0; 5,0; 10,0; 15,0 e 20,0mg de cipermetrina por litro de água (mg/L). Os peixes foram expostos ao produto dentro de aquários com capacidade para 30 litros. Em cada aquário foram colocados quatro peixes e cada tratamento teve três repetições, totalizando doze peixes por tratamento. Para determinar a concentração subletal da cipermetrina e deltametrina na fase de desenvolvimento embrionário foi realizada a indução da ovulação em fêmeas de jundiá através de hormônios, com posterior coleta dos ovos. Os ovos foram hidratados e fertilizados em soluções de cipermetrina e deltametrina em diferentes concentrações, sendo estas: 0,001; 0,01; 0,1; 1,0 e 10,0mg/L para cipermetrina e 0,001; 0,01; 0,1; 0,5 e 1,0mg/L para deltametrina, além do grupo controle (0mg/L). Após a fertilização, os ovos permaneceram em recipientes com os respectivos pesticidas até o momento da eclosão onde foi analisada a taxa de eclosão. Em seguida as larvas, a partir da eclosão dos ovos, foram mantidas nas respectivas concentrações de cipermetrina e deltametrina para analisar a taxa de sobrevivência frente aos inseticidas testados, durante 12 e 24 horas. Em relação as concentrações letais e subletais de jundiás jovens, estes apresentaram-se sensíveis à cipermetrina nas concentrações testadas, apresentando sinais de intoxicação como perda de equilíbrio, alteração na natação, dispnéia mantendo a boca e os opérculos abertos, nados verticais e movimentos súbitos de natação em forma de espiral. A intensidade destes sinais variou proporcionalmente a concentração utilizada. As concentrações acima de 3,0mg/L foram consideradas letais para a espécie em 96 horas, pois todos os animais expostos a concentrações entre 3,0 e 20,0mg/L vieram a óbito, enquanto que as concentrações entre 1,0 e 2,5mg/L são subletais. A CL50 96 horas da cipermetrina para o jundiá foi 1,71mg/L. Em relação aos efeitos da cipermetrina e deltametrina sobre a fase de desenvolvimento embrionário, os resultados mostraram que ambos os piretróides diminuíram significativamente os parâmetros analisados em comparação com o grupo controle. Conclui-se que mesmo o jundiá mostrando ser mais resistente aos piretróides em comparação com outras espécies, tanto animais jovens como animais em fase de desenvolvimento embrionário mostraram-se sensíveis aos efeitos destes pesticidas.
Download / Visualização