Ano 2013 - Volume 33, Número 1


Título
Diagnóstico de febre catarral maligna em bovinos do Uruguai, 33(1):52-56
Autores

Resumo
RESUMO.- Preliasco M., Easton M.C., Paullier C., Rivero R., Moraes D.F.S.D., Godoy I., Dutra V. & Nakazato L. 2013. [Diagnosis of malignant catarrhal fever in cattle in Uruguay.] Diagnóstico de Febre Catarral Maligna em bovinos do Uruguai. Pesquisa Veterinária Brasileira 33(1):52-56. Laboratorio Central “Miguel C. Rubino”, División de Laboratorios Veterinarios del Ministerio de Ganadería Agricultura y Pesca de Uruguay, Ruta 8 km, C.P. 12.100, Montevideo, 17.500, Uruguay. E-mail: mpreliasco@mgap.gub.uy

Foi realizado um estudo retrospectivo de 14 focos de febre catarral maligna (FCM) em bovinos, detectados nos anos de 1999-2011, a partir dos arquivos da Seção Anatomia Patológica da Divisão de Laboratórios Veterinários (DILAVE) “Miguel C. Rubino” Montevideo. Foram analisados os dados epidemiológicos, apresentação clínica e lesões macroscópicas e histopatológicas. Para a detecção do herpesvírus ovino tipo 2 (OvHV-2) foi utilizada a técnica de PCR sobre as amostras do sistema nervoso central de bovinos de 12 focos. Os surtos ocorreram principalmente nos meses de primavera e verão, na região norte do país. Em 64% (9/14) dos focos ocorreram episódios individuais da enfermidade, enquanto que os casos coletivos foram 5, nos quais a morbidade e mortalidade oscilaram entre 2% e 5%, sendo a letalidade 100% em todos os relatos. Em 50% dos surtos foi confirmado o contato direto entre bovinos e ovinos, enquanto no restante não havia tal informação. Clinicamente predominaram os sinais de opacidade bilateral da córnea, conjuntivite, secreção nasal e ocular mucopurulenta, assim como a síndrome nervosa. Os achados de necropsia mais frequentes foram opacidade bilateral da córnea e lesões inflamatórias nas mucosas. Os achados histopatológicos caracterizaram-se por panvasculite necrótica sistêmica. Foi possível detectar o agente etiológico por PCR em 5 dos 12 casos analisados.
Download / Visualização