Ano 2013 - Volume 33, Número 3


Título
Aspectos clínicos e dinâmica de parasitoses auriculares em bovinos da raça Gir, 33(3):319-325
Autores

Resumo
RESUMO.- Leite P.V.B., Leite L.B., Cunha A.P., Silva M.X., Bello A.C.P.P., Domingues L.N., Leite Jr A. & Leite R.C. 2013. Clinical aspects and dynamics of auricular parasitosis in Gir cattle. [Aspectos clínicos e dinâmica de parasitoses auriculares em bovinos da raça Gir.] Pesquisa Veterinária Brasileira 33(3):319-325. Laboratório de Doenças Parasitárias, Departamento de Medicina Veterinária Preventiva, Escola de Veterinária, Universidade Federal de Minas Gerais, Av. Antônio Carlos 6627, Belo Horizonte, MG 30.123-970, Brazil. E-mail: patriciabossileite@gmail.com

Avaliou-se a dinâmica da infestação auricular causada por Rhabditis spp. e por Raillietia spp., relacionando-a com a idade dos animais, com a intensidade dos sinais clínicos e com os fatores climáticos. Utilizaram-se 64 bovinos Gir, distribuídos em três grupos: GA - 23 bezerros de quatro a seis meses de idade, GB - 18 bezerros de sete a 12 meses e GC - 23 novilhas de 13 a 33 meses. Foram feitas cinco coletas a cada três meses. A secreção auricular foi coletada utilizando o método de lavagem auricular na orelha direita e um swab na orelha esquerda. Fez-se avaliação clínica dos animais classificando-os de acordo com a presença e gravidade da otite. A maior frequência relativa da rhabditiose encontrada foi de 52,2%, no GC na ultima coleta. Na primeira coleta, 42,2% dos animais estavam infestados pela Raillietia spp. Os bovinos mais velhos foram mais suscetíveis às infestações de ambos os parasitos. Não foi encontrada correlação entre o parasitismo por Rhabditis spp. e por Raillietia spp. e os fatores climáticos. Concluiu-se que ambos os parasitas podem infestar bovinos da raça Gir e na maioria dos casos, não ocorreram infestações simultâneas. Apenas os animais mais velhos, parasitados pelo nematóide, apresentaram sinais clínicos da doença.
Download / Visualização