Ano 2013 - Volume 33, Número 3


Título
Imagem por tomografia computadorizada dos linfonodos axilares e mediastinais de cães rottweilers clinicamente saudáveis, 33(3):405-410
Autores

Resumo
RESUMO.- Fonseca Pinto A.C.B., Aneli E., Patara A.C., Lorigados C.A.B., Banon G.P.R. & Figueiredo C. 2013. Computed tomography image of the mediastinal and axillary lymph nodes in clinically sound Rottweilers. [Imagem por tomografia computadorizada dos linfonodos axilares e mediastinais de cães rottweilers clinicamente saudáveis.] Pesquisa Veterinária Brasileira 33(3):405-410. Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, Cidade Universitária, São Paulo, SP 05508-701, Brazil. E-mail: anacarol@usp.br

A tomografia computadorizada é uma modalidade diagnóstica que possibilita a avaliação detalhada dos linfonodos e que é capaz de detectar mais precocemente alterações envolvendo estas estruturas, que modalidades de imagem como a radiografia e a ultrassonografia. Tendo em vista a escassez de informações na literatura veterinária esta pesquisa objetivou fornecer informações sobre os aspectos tomográficos normais dos linfonodos axilares e mediastinais em cães. Realizou-se o exame tomográfico de 15 cães adultos, machos e fêmeas, da raça Rottweiler, selecionados como clinicamente normais por meio de anamnese, exame físico, hemograma, perfil bioquímico renal e hepático, eletrocardiograma e exame radiográfico do tórax. Após a injeção intravenosa do contraste iodado hidrossolúvel iônico, realizaram-se cortes tomográficos transversais do tórax com 10mm de espessura e 10mm de incremento em um tomógrafo axial. Os exames tomográficos foram avaliados buscando-se identificar os linfonodos axilares e mediastinais. Quando visibilizados, os linfonodos foram mensurados em seu menor eixo e sua atenuação foi comparada com a da musculatura. Foram calculados a média e desvio padrão da idade, do peso, do comprimento dos animais e do menor eixo dos linfonodos axilares e mediastinais. A média de idade dos animais e o desvio padrão foram de 3,87 anos ±2,03, do peso foi de 41,13kg ± 5,12 e do comprimento dos animais foi de 89,61cm ±2,63. Os linfonodos axilares foram visibilizados em 60% dos animais, a média das mensurações dos menores diâmetros e o desvio padrão foi de 3,58mm ±2,02 com valor mínimo de 1mm e máximo de 7mm. Dos 13 linfonodos observados 61,53% apresentaram-se hipoatenuantes comparativamente a musculatura e 30,77% isoatenuantes. Os linfonodos mediastinais foram observados em 73,33% dos cães, a média das mensurações dos menores diâmetros e o desvio padrão foi 4,71mm ±2,61 com valor mínimo de 1mm e máximo de 8mm. Dos 14 linfonodos observados 85,71% apresentaram-se isoatenuantes comparativamente a musculatura e 14,28% apresentaram-se hipoatenuantes. A partir deste estudo confirmou-se que em cães da raça Rottweiler os linfonodos axilares e mediastinais podem ser visibilizados ao exame tomográfico em cortes de 10 milímetros de espessura com igual incremento. Seus diâmetros menores não ultrapassaram 7mm no referente aos linfonodos axilares e 8mm para os mediastinais, e sua atenuação foi iso ou hipoatenuante em relação à musculatura no exame pós-contraste.
Download / Visualização