Ano 2013 - Volume 33, Número 3


Título
Biometria torácica e cardíaca de cutias não anestesiadas (Dasyprocta primnolopha Wagler, 1831) mensuradas em imagens radiográficas, 33(3):411-416
Autores

Resumo
RESUMO.- Diniz A.N., Silva Júnior J.R., Ambrósio C.E., Sousa J.M., Sousa V.R., Carvalho M.A.M., Nascimento D.M. & Alves F.R. 2013. Thoracic and heart biometrics of non-anesthetized agouti (Dasyprocta primnolopha Wagler, 1831) measured on radiographic images. [Biometria torácica e cardíaca de cutias não anestesiadas (Dasyprocta primnolopha Wagler, 1831) mensuradas em imagens radiográficas.]Pesquisa Veterinária Brasileira 33(3):411-416. Departamento de Morfisiologia Veterinária, Curso de Medicina Veterinária, Universidade Federal do Piauí, Campus Universitário Ministro Petrônio Portella, Bairro Ininga, Teresina, PI 64049-550, Brazil. E-mail: flavioribeiro@ufpi.edu.br

A cutia é uma espécie intensamente caçada em toda a Amazônia e nas regiões semi-áridas do Nordeste do Brasil. Considerando a tendência atual em gestão de conservação das espécies selvagens, o objetivo deste estudo foi determinar referências morfométricas para o coração de cutia criadas em cativeiro, com base em medições torácicas e cardíacas desses animais. Foram selecionados 30 cutias adultas, sem sinais clínicos de doença cardíaca, com idade entre 1 a 3 anos. Os animais foram contidos fisicamente e realizadas projeções radiográficas laterolaterais e (LL) e ventrodorsais (VD). As seguintes medidas foram tomadas: O comprimento apicobasilar do coração (na altura mais cranial da região carina até o ápice do coração) (AB); a largura máxima coração perpendicular a AB (CD); o ângulo de inclinação do cardíaca (AIC); ângulo de inclinação da traquéia (AIT); a distância a partir da parede direita do coração (DPTd); a distância a partir da parede esquerda do coração (DPTe) e profundidade vertical do tórax, da face ventral da coluna vertebral até à borda dorsal do esterno, no nível da bifurcação da traqueia (H). As relações entre AB/CD, AB/H e CD/H também foram analisadas. Para calcular o “vertebral heart scale” (VHS), as medidas AB e CD foram colocadas sob as vértebras torácicas a partir de T4. A avaliação radiográfica demonstrou valores consistentes com aqueles relatados em pequenos animais e algumas espécies selvagens e exóticos. Os principais valores biométricos mensurados na cavidade torácica e cardíaca da cutia, estão dispostas da seguinte forma: (1) As relações entre AB/H e CD/H não foram sensíveis para identificar aumento do coração (p> 0,05), enquanto a proporção AB/CD foi mais sensível nesta identificação (p <0,05); (2) AIC: 21,2 ± 6.4o (média entre machos e fêmeas); (3) AIT para machos e fêmeas: 9.93 ± 3.23° and 8.4±3.94°; (4) DPTd e DPTe para os machos: 0,97 ± 0,40 cm e 0,7 ± 0,30, (5) DPTd e DPTe para as fêmeas: 1,12 ± 0,42 e 01,02 ± 0,43; (6) VHS para machos e fêmeas: 7.75±0.48v e 7.61±0.34v; (7) A veia cava caudal (CVC) foi visualizada dorso-cranialmente e localizada à direita da linha média. Os dados obtidos permitiram a obtenção dos primeiros valores de referência para a biometria do coração de cutias, contribuindo para uma maior compreensão da morfologia cardíaca e identificação de cardiomiopatia nestes animais.
Download / Visualização