Ano 2013 - Volume 33, Número 4


Título
Densidade das lâminas epidérmicas primárias e secundárias nos cascos de equinos, 33(4):543-548
Autores

Resumo
RESUMO.- Barreto-Vianna A.R.C., Oliveira L.S., Leonardo A.S., Santana M.I., Godoy R.F. & Lima E.M.M. 2013. Density of primary and secondary epidermal laminae of equine hoof. Pesquisa Veterinária Brasileira 33(4):543-548. Departamento de Anatomia Veterinária, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade de Brasília, ICC Ala Sul, Campus Darcy Ribeiro, Cx. Postal 4508, Brasília, DF 70760-701, Brazil. E-mail: limaemm@unb.br

Diferenças na morfologia microscópica dos cascos dos membros pélvicos e torácicos dos equinos têm sido pouco relatadas na literatura, principalmente no tocante a distribuição de lâminas epidérmicas primárias e secundárias nas diversas regiões. O propósito deste estudo foi quantificar a densidade de lâminas epidérmicas primárias e secundárias no casco de equinos. Foram utilizados membros torácicos e pélvicos de oito equinos adultos e sem raça definida. Em uma secção transversal de aproximadamente 0,5cm de altura da sola dos cascos foi quantificada a densidade das lâminas epidérmicas primárias tanto na região da pinça quanto dos quartos lateral e medial. Fragmentos com aproximadamente 1cm³ foram retirados dos terços proximal, médio e distal do casco, nas diferentes regiões e submetidos a técnica histológica convencional, a densidade de lâminas epidérmicas secundárias foi quantificada com auxilio de microscópio óptico. Os dados foram analisados estatisticamente em relação aos membros torácicos e pélvicos e entre suas diversas regiões. A densidade de lâminas epidérmicas primárias varia ao redor da circunferência do casco, sendo maior na região da pinça do casco e diminui gradualmente em direção ao bulbo do casco, não existindo diferença entre membros pélvicos e torácicos. A densidade média de lâminas epidérmicas secundárias por lâmina epidérmica primária não varia em torno da circunferência dos cascos, assim como, quando comparada entre os membros torácicos e pélvicos. A variação da densidade das lâminas epidérmicas primárias em torno do casco parece fazer parte de uma resposta adaptativa às diferentes tensões existentes em cada região. O melhor entendimento da morfologia das estruturas do casco contribui na melhor compreensão do diagnóstico, fisiopatologia e tratamento das afecções que as acometem.
Download / Visualização