Ano 2013 - Volume 33, Número 6


Título
Relato epidemiológico da Erlichiose mono- cítica equina (EME) no Brasil, 33(6):697-699
Autores

Resumo
RESUMO.- Moreira L.M.C., Cardoso K.M., Aboud-Dutra A.E., Ferrão C.M. & Gazêta G.S. 2013. Frequency of Equine Monocytic Ehrlichiosis (EME) in Brazil. [Relato epidemiológico da Erlichiose monocítica equina (EME) no Brasil.] Pesquisa Veterinária Brasileira 33(6):697-699. Laboratório Referência Nacional em Vetores das Riquetsioses, Instituto Oswaldo Cruz, Avenida Brasil 4365, Rio de Janeiro, RJ 21040360, Brazil. E-mail: leonardo.moerbeck@ioc.fiocruz.br

A partir de um delineamento observacional transversal com amostras de conveniência, 347 amostras de sangue foram coletadas de diferentes regiões fisiográficas: Planalto de Santa Catarina (Estado de Santa Catarina - SC), Região do Médio Paraíba do Sul (Estados de São Paulo - SP e Rio de Janeiro - RJ), Região Serrana e Metropolitana (ambas do Estado do Rio de Janeiro - RJ). As amostras foram testadas para a presença de anticorpos (IgG) anti-Neorickettsia risticii por imunofluorescência indireta (IFI). A prevalência obtida no presente estudo corrobora com demais resultados obtidos nos Estados Unidos da América. O Teste Exato de Fisher demonstrou diferença significativa no número de animais positivos entre as regiões, indicando assim que a probabilidade de um animal se infectar varia dependendo da região. O intervalo de confiança (IC 95%) revelou não haver associação entre a infecção e o espaço geopolítico, este evento pode ser influenciado pelo tipo de tratamento em cada área, como sazonalidade do agravo ou frequência de potenciais vetores. Assim, a soropositividade ora encontrada sugere a circulação de N. risticii nas áreas estudadas. Estudos futuros baseados, principalmente, em análises moleculares serão importantes para a confirmação dos achados sorológicos no presente trabalho.
Download / Visualização