Ano 2013 - Volume 33, Número 6


Título
Biópsias seriadas do tendão flexor digital superficial para o diagnóstico e monitoração da tendinite induzida por colagenase em equinos, 33(6):710-718
Autores

Resumo
RESUMO.- Lacerda Neto J.C., Freitas J.M.R., Poggiani F.M., Dias D.P.M., Gravena K., Bernardi N.S., Ribeiro G. & Palmeira-Borges V. 2013. Serial superficial digital flexor tendon biopsies for diagnosing and monitoring collagenase-induced tendonitis in horses. [Biópsias seriadas do tendão flexor digital superficial para o diagnóstico e monitoração da tendinite induzida por colagenase em equinos.] Pesquisa Veterinária Brasileira 33(6):710-718. Departamento de Clínica e Cirurgia Veterinária, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Via de Acesso Prof. Paulo Donato Castellane s/n, Jaboticabal, SP 14884-900, Brazil. E-mail: jlacerda@fcav.unesp.br

Objetivou-se demonstrar a viabilidade de uma técnica de biópsia na realização de avaliações sequenciais de amostras de tecido do tendão flexor digital superficial (TFDS) do membro torácico, em equinos hígidos e em equinos submetidos à indução de tendinite do TFDS. Oito equinos adultos foram avaliados em duas fases (F) diferentes, controle (F1) e apresentando tendinite induzida (F2). Na F1, os equinos foram submetidos a cinco biópsias do TFDS do membro torácico esquerdo, com 24 horas (h) de intervalo entre as mesmas. Avaliações clínicas e ultrassonográficas (US) foram realizadas imediatamente antes e, 24 e 48 h após cada procedimento. O tecido tendíneo coletado por biópsia foi analisado histologicamente. A F2 ocorreu três meses depois, quando os mesmos equinos foram submetidos à indução de tendinite do TFDS do membro torácico direito por injeção intratendínea de colagenase. Na P2, Avaliações clínicas e US foram realizadas antes da indução da tendinite e após a mesma nos seguintes momentos: 24, 48, 72 e 96 h depois e, 15, 30, 60, 90, 120 e 150 dias depois. A técnica de biópsia se demonstrou ser de fácil e rápida realização, fornecendo fragmentos de tecido tendíneo adequados para a realização de histologia. Na F1, os equinos não demonstraram sinais de inflamação local, dor ou claudicação, bem como não apresentaram alterações na avaliação US do TFDS após as biópsias, demonstrando que o dano físico ao tendão provocado pela biópsia não compromete sua integridade. Assim, o procedimento pode ser utilizado rotineiramente para avaliações histológicas do tecido tendíneo. Na F2, observou-se uma relação entre os achados US e histológicos no que se refere à evolução da tendinite induzida. Entretanto, observou-se que os sinais clínicos da tendinite não acompanham a condição microscópica do tecido, o que indica que a apresentação clínica não pode ser utilizada como parâmetro para a monitoração da evolução da enfermidade. A técnica de biópsia apresentada para colheita de tecido do TFDS em equinos, permite a obtenção de tecido para avaliação histológica seriada sem provocar sinais clínicos e alterações ultrassonográficas que indiquem dano tecidual. Assim, a técnica permite a monitoração da tendinite e pode ser considerada uma excelente ferramenta na avaliação de injúrias do TFDS.
Download / Visualização