Ano 2013 - Volume 33, Número 6


Título
Efeito da modificação ambiental sobre a ocorrência de mastite e alterações hormonais de vacas Holandesas, 33(6):826-830
Autores

Resumo
RESUMO.- Arcaro J.R.P., Matarazzo S.V., Pozzi C.R., Arcaro Junior I., Toledo L.M., Costa E.O. & Miranda M.S. 2013. Effects of environmental modification on mastitis occurrence and hormonal changes in Holstein cows. [Efeito da modificação ambiental sobre a ocorrência de mastite e alterações hormonais de vacas Holandesas.] Pesquisa Veterinária Brasileira 33(6):826-830. Departamento de Ciências Agrárias e Ambientais, Universidade Estadual de Santa Cruz, Rodovia Jorge Amado Km 16, Ilhéus, BA, 45662-900 Brazil. E-mail: svmatarazzo@uesc.br

O trabalho teve como objetivo avaliar a eficiência do sistema de resfriamento adiabático evaporativo, acionado em diferentes horários, em instalação do tipo freestall e seus reflexos sobre a ocorrência de mastite, produção e composição do leite e respostas hormonais de vacas em lactação. Foram utilizadas 28 vacas em lactação (70±10 dias), multíparas, das raças Holandesa Preta e Branca e Pardo Suíça, com produção média diária de 23±2,3 kg leite/dia. O período experimental de 56 dias teve início em 20 de janeiro de 2003. Os tratamentos foram: Controle (sem resfriamento); Dia (resfriamento 7 as 19 h); Noite (resfriamento 19 às 7 h) e 24 horas (resfriamento durante 24 h). A temperatura de bulbo seco (TBS), umidade relativa do ar (UR) e a temperatura de globo negro (TGN) foram mensuradas ao longo das 24 horas. A ordenha foi realizada às 7 h e 19 h. Amostragens semanais de leite e sangue foram realizadas para análise da composição do leite (gordura, proteína, lactose e contagem de células somáticas) e determinações hormonais de cortisol, tiroxina (T4) e triiodotironina (T3). Para avaliação da ocorrência de mastite clínica e subclínica foram feitos exames semanais de TAMIS (caneca de fundo preto) e California Mastitis Test (CMT). Foram colhidas amostras de leite de todos os quartos para identificação microbiológica dos agentes causais da mastite. O tratamento Dia diminuiu (P<0,05) a temperatura do freestall em 5,3°C às 12h e em 3,5°C às 14h em relação ao grupo Controle. A umidade relativa esteve elevada (P<0,05) às 7h no tratamento Noite e às 12h, 14h e 21h no tratamento Dia. Os maiores valores de ITU foram registrados no tratamento Noite às 12h, 14h e 21h. Não foram observadas diferenças entre os tratamentos (P>0,05) para a produção e composição do leite. Nos animais do tratamento Os níveis de cortisol mostraram-se acima (P<0,05) dos níveis normais em todos os tratamentos. Já os teores de T3 e T4 estiveram dentro da faixa de normalidade. Na fase pré-experimental a maior frequência de isolamento bacteriano foi para Staphylococcus coagulase negativa. No tratamento noite e dia, houve uma diminuição na proporção de casos positivos de mastite subclínica da fase pré-experimental em relação à última semana da fase experimental. Na última semana da fase experimental houve uma diminuição de Staphylococcus coagulase negativa e aumento da ocorrência de Corynebacterium sp.
Download / Visualização