Ano 2013 - Volume 33, Número 10


Título
Vírus emergentes de animais: verdadeiras ameaças ou meros espectadores?, 33(10):1161-1173
Autores

Resumo
RESUMO.- Flores E.F., Weiblen R., Cargnelutti J.F., Bauermann F.V., Mori E., Spilki F.R. & Franco A.C. 2013. Emerging animal viruses: real threats or simple bystanders? [Vírus emergentes de animais: verdadeiras ameaças ou meros espectadores?] Pesquisa Veterinária Brasileira 33(10):1161-1173. Setor de Virologia, Departamento de Medicina Veterinária Preventiva, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria, Av. Roraima 1000, Camobi, Santa Maria, RS 97105-900, Brazil. E-mail: eduardofurtadoflores@gmail.com

O número de vírus animais cresce continuamente, causando preocupação permanente a virologistas e veterinários. O potencial patogênico e associação com doença tem sido claramente demonstrado para alguns - mas não para todos - vírus emergentes. Esse artigo apresenta uma breve revisão das recentes descobertas de vírus animais e a sua potencial relevância para saúde animal. Cães eram considerados refratários aos vírus da influenza até 2004, quando um vírus influenza A subtipo H3N8 foi transmitido de equinos e causou doença respiratória severa em cães galgos na Flórida/EUA. O novo vírus, denominado vírus da influenza canina (CIV), agora considerado uma linhagem distinta do vírus da influenza equina, disseminou-se na população canina urbana dos EUA. Um novo Pestivirus (Flaviviridae) - provisoriamente denominado pestivírus Hobi-like - foi identificado em 2004 em soro fetal bovino importado do Brasil. Os vírus Hobi-like são genética e antigenicamente relacionados com o vírus da diarreia viral bovina (BVDV) e induzem manifestações clínicas semelhantes. A sua origem e distribuição são desconhecidas, mas estão aparentemente disseminados no rebanho brasileiro e já foram identificados no sudeste asiático e na Europa. Em 2011, um novo buniavírus transmitido por mosquitos, denominado vírus Schmallemberg (SBV), foi associado com febre, redução da produção de leite, abortos e malformações fetais em bovinos e ovinos da Alemanha. Subsequentemente, esse agente se disseminou por vários países europeus e atualmente representa uma séria ameaça para saúde animal naquele continente. A origem do SBV é um tema ainda controverso, mas possivelmente tenha resultado de ressortimento entre os buniavírus Shamonda e Satuperi. O vírus da hepatite E (HEV, família Hepeviridae) é um conhecido agente de hepatite aguda em humanos e, em 1997, foi identificado pela primeira vez em suínos. Estudos epidemiológicos posteriores revelaram que o HEV está amplamente distribuído em rebanhos suínos, principalmente associado com infecção subclínica. Dois dos quatro sorotipos do HEV são zoonóticos e podem ser transmitidos entre suínos e humanos por água contaminada e carne mal-cozida. A distribuição atual e impacto da infecção pelo HEV na produção suína são desconhecidos. O girovírus aviário tipo 2 (AGV-2) é um novo girovírus, família Circoviridae, identificado no sangue de galinhas com suspeita de infecção pelo vírus da anemia aviária (CAV). O AGV-2 é estreitamente relacionado ao CAV, mas apresenta diferenças genômicas que justificam sua classificação como espécie viral distinta. O AGV-2 parece estar amplamente distribuído em galinhas no Brasil e também em outros países, mas seu potencial patogênico ainda é desconhecido. Finalmente, a longa e intensiva busca por vírus animais relacionados ao vírus da hepatite C humana (HCV) tem levado a identificação de “novos” pestivírus em cães (canine hepacivirus [CHV]), equinos (hepacivirus de não-primatas [NPHV] ou vírus associado à doença de Theiler [TDAV]) e em roedores. Para estes, uma associação clara e definitiva com doença ainda não foi demonstrada e apenas tempo e investigação irão dizer se são patógenos reais ou apenas espectadores.
Download / Visualização