Ano 2013 - Volume 33, Número 11


Título
Análise de detecção de cluster na caracterização espaço-temporal da tuberculose bovina no Estado da Bahia, 33(11):1313-1318
Autores

Resumo
RESUMO.- Ávila L.A., Perez A.M., Ferreira Neto S.J., Ferreira F., Telles O.E., Dias A.R., Amaku M. & Gonçalves V.S.P. 2009. [Cluster detection analyses for temporal-spatial characterization of bovine tuberculosis in Bahia, Brazil.] Análise de detecção de cluster na caracterização espaço-temporal da tuberculose bovina no Estado da Bahia. Pesquisa Veterinária Brasileira 33(11):1313-1318. Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Bovina, Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia, Secretaria de Agricultura do Estado da Bahia, Av. Ademar de Barros 967, Salvador, BA 40170-110, Brazil. E-mail: luciana.avila@adab.ba.gov.br

A tuberculose bovina (BTB) é uma enfermidade causada pela infecção pelo Mycobacterium bovis que acomete o homem e diversas espécies de mamíferos. A BTB tem grande importância por causar prejuízos econômicos nas regiões infectadas e por seu impacto na saúde pública. Foi realizado inquérito epidemiológico no Estado da Bahia, entre 2008 e 2010, com o objetivo de estimar a prevalência e conhecer a distribuição espaço temporal da enfermidade. O Estado foi estratificado em quatro regiões, cada uma com características epidemiológicas e demográficas homogêneas representativas de formas de produção pecuária. Um total de 18.810 cabeças com idade superior a 2 anos foi amostrado em 1350 propriedades. O teste cervical comparativo foi aplicado em cada animal selecionado, sendo considerados positivos os animais reagentes positivos ou duas vezes inconclusivos. Latitude e Longitude foram tomadas para cada propriedade amostrada com o auxilio do aparelho de Global Positioning System (GPS). O teste de Cuzick-and-Edwards e a análise de rastreio espacial (spatial scan statistic) foram utilizados para identificar qualquer agrupamento espacial de BTB. A prevalência de rebanho na Bahia, indicando a proporção de propriedades foco, foi de 1,6% (IC 95%: 1,0% – 2,69% por região). Nenhuma evidência significativa (P<0.05) de aglomeração espacial ou clustering foi detectada, possivelmente devido à baixa prevalência da doença. Estes resultados sugerem que a BTB tem baixa prevalência no estado da Bahia e que, nestas condições epidemiológicas, os focos encontrados não podem ser explicados por fatores espacialmente estruturados.
Download / Visualização