Ano 2011 - Volume 31, Número 1001


Título
Aspectos morfológicos da cérvice de ovelhas, 31(Supl.1):33-38
Autores

Resumo
RESUMO.- Moura D.S., Lourenço T.T., Moscardini M.M., Scott C., Fonseca P.O. & Souza F.F. 2011. [Morphological aspects of ovine cervix.] Aspectos morfológicos da cérvice de ovelhas. Pesquisa Veterinária Brasileira 31(Supl.1):33-38. Hospital Veterinário, Universidade de Franca, Av. Dr. Armando Salles de Oliveira 201, Parque Universitário, Franca, SP 14404-600, Brazil. E-mail: fafesouza@unifran.br

A principal barreira para a aplicação da inseminação artificial transcervical é a anatomia cervical aliada à baixa viabilidade e sobrevida do sêmen ovino congelado. Assim, este experimento teve como objetivo estudar a morfologia da cérvice de ovelhas. Para tal, foram adquiridas, em matadouro, 81 peças do trato reprodutor de ovelhas, nas quais se avaliou a morfologia cervical, segundo as seguintes características: tipo de óstio cervical, mensuração do tamanho da cérvice, integralidade e interdigitação entre os anéis das pregas cervicais, tamanho e características macroscópicas dos ovários (folículos e corpo lúteo) e tempo da passagem do aplicador de sêmen pela cérvice. Foi identificada maior frequência do tipo liso de abertura da cérvice e integralidade e interdigitação dos anéis grau II. O tempo de passagem do aplicador pela cérvice foi em média de seis minutos e 15 segundos, sendo que o corante aplicado se difundiu por todo o canal, atingindo o útero na maioria das ovelhas. A média do diâmetro da abertura cervical foi de 0,68cm e o comprimento cervical de 4,4cm. A atividade folicular ovariana foi encontrada em 75% das fêmeas. Foi possível estabelecer várias correlações entre as variáveis. Conclui-se que o tamanho da abertura cervical sofre influência estrogênica, e o tipo liso de abertura cervical, o grau III de integralidade e interdigitação dos anéis e o maior comprimento da cérvice foram associados à maior dificuldade de passar o cateter no lúmen cervical.
Download / Visualização