Ano 2014 - Volume 34, Número 2


Título
Ocorrência e caracterização da criptococose em cães e gatos em Mato Grosso, 34(2):167-172
Autores

Resumo
RESUMO.- Paula D.A.J., Almeida A.B.P.F., Cruz F.S., Furlan F.H., Colodel E.M., Sousa V.R.F., Nakazato L. & Dutra V. 2014. Occurrence and molecular characterization of cryptococcosis in dogs and cats in Mato Grosso, Brazil. [Ocorrência e caracterização da criptococose em cães e gatos em Mato Grosso.] Pesquisa Veterinária Brasileira 34(2):167-172. Departamento de Clínica Médica Veterinária, Faculdade de Agronomia, Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Federal de Mato Grosso, Av. Fernando Corrêa da Costa s/n, Bairro Boa Esperança, Cuiabá, MT 78068-900, Brazil. E-mail: valdutra@ufmt.br

A criptococose é uma infecção que afeta humanos e animais sendo a etiologia atribuída às espécies Cryptococcus neoformans variedade neoformans, C. neoformans var. grubii e C. gattii. A doença é comum em cães e gatos, causando infecções respiratórias, neurológicas, cutâneas e oculares. Com o objetivo de entender melhor a epidemiologia da criptococose em animais, este trabalho descreve a ocorrência e a caracterização de espécies de Cryptococcus em pequenos animais doentes no Estado de Mato Grosso, Brasil. Amostras clínicas de quatro casos, dois em felinos e dois em caninos, foram submetidas à análise patológica, microbiológica e molecular. Microscopicamente, em três casos, nos cortes de tecidos corados pela hematoxilina notou-se desde ausência até acentuada inflamação granulomatosa composta por histiócitos, células multinucleadas e infiltração linfocitária. Em um caso, na análise citológica de “imprint” observou-se infiltrado inflamatório similar composto principalmente por células mononucleares e linfócitos. Em todos os casos havia variável quantidade de estruturas fúngicas intra e extracelulares compatíveis com Cryptococcus spp pela coloração do ácido períodico de Schiff (PAS). Todas as amostras foram positivas para a cultura em Sabouraud Dextrose Agar (SDA), e morfologicamente classificadas como Cryptococcus sp. Os isolados foram positivos no PCR para C. gattii, sendo confirmados pelo seqüenciamento. Os resultados caracterizaram a espécie envolvida na região, e contribuem para futuros estudos sobre a epidemiologia de C. gattii.
Download / Visualização