Ano 2014 - Volume 34, Número 5


Título
Surtos de diarreia em leitões lactentes por rotavírus grupo C em infecções singulares e mistas (rotavirus grupos A e B), 34(5):391-397
Autores

Resumo
RESUMO.- Lorenzetti E., Stipp D.T., Possatti F., Campanha J.E.T., Alfieri A.F. & Alfieri A.A. 2014. Diarrhea outbreaks in suckling piglets due to rotavirus group C single and mixed (rotavirus groups A and B) infections. [Surtos de diarreia em leitões lactentes por rotavírus grupo C em infecções singulares e mistas (rotavirus grupos A e B).] Pesquisa Veterinária Brasileira 34(5):391-397. Laboratory of Animal Virology, Department of Veterinary Preventive Medicine, Universidade Estadual de Londrina, Rodovia Celso Garcia Cid, Campus Universitário, Cx. Postal 10011, Londrina, PR 86057-970, Brazil. E-mail: alfieri@uel.br

O rotavírus suíno grupo A (PoRVA) é uma das principais causas de diarreia neonatal em leitões lactentes e recém-desmamados em todo o mundo. As descrições do envolvimento de rotavírus não-grupo A em quadros de diarreia neonatal em leitões são esporádicas. No Brasil não há relatos do envolvimento do rotavírus suíno grupo C (PoRVC) na etiologia dos surtos de diarreia em leitões. O objetivo deste estudo foi descrever a identificação de rotavírus grupo C em infecções singulares e mistas com os rotavírus grupos A e B em três surtos de diarreia neonatal em leitões lactentes (≤21 dias de idade), com taxas de morbidade de 70% a 80% e de letalidade de 20% a 25%, em três rebanhos suínos localizados no estado de Santa Catarina, Brasil. O diagnóstico de PoRV nas amostras de fezes diarreicas foi realizado por eletroforese em gel de poliacrilamida (PAGE) para identificar a presença dos grupos A, B (PoRVB), e C de rotavírus suíno e por RT-PCR (PoRVA e PoRVC) e semi-nested (SN)-PCR (PoRVB) com a amplificação parcial dos genes VP4 (VP8*)-VP7, NSP2 e VP6 de PoRVA, PoRVB e PoRVC, respectivamente. Um produto de RT-PCR (PoRVA e PoRVC) e SN-PCR (PoRVB) de cada grupo de rotavírus de cada um dos três surtos de diarreia foi submetido à análise da sequência de nucleotídeos (nt). Com base na técnica de PAGE, 4 (25%) e 1 (6,25%) das 16 amostras de fezes analisadas no primeiro surto apresentaram eletroferotipo característico de PoRVA e PoRVC, respectivamente, e 11 (68,75%) amostras fecais foram negativas. No segundo surto, 3 (42,85%) das 7 amostras de fezes analisadas apresentaram perfil eletroforético de PoRVA; em 3 (42,85%) e em 1 (14,3%) amostras de fezes foram detectados resultados inconclusivos e negativos, respectivamente. Três (30%) das 10 amostras de fezes do terceiro surto apresentaram eletroferotipo característico de PoRVC; 5 (50%) e 2 (20%) amostras apresentaram resultados negativos e inconclusivos, respectivamente. Com base nos resultados da RT-PCR e SN-PCR, no primeiro surto de diarreia neonatal o PoRVC foi detectado em 13 (81,2%) das 16 amostras de fezes diarreicas analisadas, sendo que em 4 (25%) amostras foi identificada infecção singular e em 9 (56,2%) amostras infecção mista com PoRVA e PoRVB. Todas as sete amostras de fezes diarreicas provenientes do segundo surto de diarreia neonatal foram positivas para o PoRVC, enquanto infecções mistas com outros grupos de PoRV foram detectadas em 4 (57,2%) amostras. No terceiro surto o PoRVC foi detectado em infecção singular em todas as dez amostras de fezes diarreicas analisadas. Na análise da sequência de nt as cepas de PoRVA do primeiro e segundo surtos demonstraram maior identidade de nt com os genotipos G4P[6] e G9P[23], respectivamente. As cepas de PoRVB (primeiro e segundo surtos) e as cepas de PoRVC (primeiro, segundo e terceiro surtos) mostraram maior identidade de nt com cepas de PoRVB e PoRVC que pertencem aos genotipos N4 e I1, respectivamente. Esta é a primeira descrição realizada no Brasil do envolvimento de PoRVC na etiologia de surtos de diarreia em leitões lactentes. Os resultados deste estudo demonstram que o PoRVC, tanto em infecções singulares quanto em infecções mistas, é um importante enteropatógeno envolvido em surtos de diarreia neonatal em leitões e que o uso de técnicas de diagnóstico mais sensíveis permite caracterizar que infecções mistas, com dois ou até mesmo com três grupos de PoRV, podem ser mais comuns do que anteriormente relatado.
Download / Visualização