Ano 2014 - Volume 34, Número 5


Título
Levantamento soroepidemiológico para arbovírus em macaco-prego-galego (Cebus flavius) de vida livre no Estado da Paraíba e em macaco-prego (Cebus libidinosus) de cativeiro do Nordeste do Brasil, 34(5):462-468
Autores

Resumo
RESUMO.- Laroque P.O., Valença-Montenegro M.M., Ferreira D.R.A., Chiang J.O., Cordeiro M.T., Vasconcelos P.F.C. & Silva J.C.R. 2014. [Epidemiologic survey for arbovirus in Galician capuchin monkeys (Cebus flavius) free living in Paraíba and captive capuchin monkey (Cebus libidinosus) from Northeast Brazil.] Levantamento soroepidemiológico para arbovírus em macaco-prego-galego (Cebus flavius) de vida livre no Estado da Paraíba e em macaco-prego (Cebus libidinosus) de cativeiro do Nordeste do Brasil. Pesquisa Veterinária Brasileira 34(5):462-468. Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Primatas Brasileiros, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Ministério do Meio Ambiente, Praça Antenor Navarro 5, Varadouro, João Pessoa, PB 58010-480, Brazil. E-mail: plautino@terra.com.br

Este estudo descreve a primeira investigação de anticorpos para arbovírus em primatas não humanos do Novo Mundo no nordeste brasileiro. No período de março de 2008 a setembro de 2010 foram colhidos soros sanguíneos de 31 macacos-prego-galegos (Cebus flavius) de vida livre na Paraíba e de 100 macacos-prego (Cebus libidinosus) em cativeiro nos estados de Alagoas, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte. Para a pesquisa de anticorpos utilizou-se o teste de inibição da hemaglutinação (IH), usando antígenos de 19 diferentes tipos de arbovírus, pertencentes aos gêneros Flavivirus, Alphavirus e Bunyavirus. As amostras de soro foram testadas nas diluições de 1:20 a 1:1280. Dentre as amostras examinadas, todas as de C. flavius foram negativas e 46% das de C. libidinosus em cativeiro apresentaram anticorpos para arbovírus. Foram detectados anticorpos para nove (9/19) arbovírus. Foram observadas 17 reações heterotípicas, para dois ou mais vírus, do gênero Flavivirus, e 15 para o gênero Alphavirus, com títulos variando de 1:20 a 1:1280. Quinze amostras apresentaram reação monotípica para ILHV (n=4), MAYV (n=6), SLEV (n=1), ROCV (n=2), OROV (n=1) e MUCV (n=1). Estes resultados sugerem que houve intensa circulação de arbovírus na população estudada de macacos-prego em cativeiro.
Download / Visualização