Ano 2014 - Volume 34, Número 8


Título
Ocorrência da infecção por Cryptosporidium spp. em cabritos (Capra hircus), 34(8):728-732
Autores

Resumo
RESUMO.- Brito R.L.L., Inácio S.V., Oliveira D.A.S., Sousa M.M., Meireles M.V., Lobo R.N.B., Vieira L.S. & Bresciani K.D.S. 2014. [Occurrence of infection by Cryptosporidium spp. in goat kids (Capra hircus).] Ocorrência da infecção por Cryptosporidium spp. em cabritos (Capra hircus). Pesquisa Veterinária Brasileira 34(8):728-732. Programa de Pós-Graduação em Medicina Veterinária, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinária, Universidade Estadual Paulista, Via de Acesso Prof. Paulo Donato Castellane s/n, Jaboticabal, SP 14884-900, Brazil. E-mail: rolomonte@gmail.com

O presente estudo teve como objetivo determinar a ocorrência da infecção por Cryptosporidium spp. em cabritos de Quixadá, Ceará, Brasil. Participaram do estudo 400 cabritos, com idade entre três e 360 dias, de ambos os sexos, com e sem padrão racial definido, procedentes de 25 estabelecimentos rurais distribuídos em três circuitos. As fezes foram cadastradas de acordo com o aspecto e cor, distribuídas em tubos tipo “eppendorf®” e congeladas in natura a -20°C, até o momento das extrações de DNA genômico do parasito com auxílio de kit comercial. Para amplificação de fragmentos da subunidade 18S do RNA ribossômico (rRNA) foi utilizada a “Nested”-PCR. A ocorrência de Cryptosporidium spp em cabritos de Quixadá foi de 7,50% (30/400). A frequência no período seco e no chuvoso foi de 9,55% (19/199) e 5,47% (11/201), respectivamente (χ2=2,39 e P>0,05). Amostras positivas foram identificadas em 64,00% (16/25) das propriedades estudadas e dessas amostras 50,00% (15/30) e 70,00% (21/30) tinham as fezes com aspecto e cor normais, respectivamente, sugerindo que cabritos assintomáticos estão eliminando oocistos. Não foi observada positividade para Cryptosporidium spp. em animais com 301 a 360 dias, demonstrando que animais mais velhos apresentam menos possibilidade de se infectarem com o parasito.
Download / Visualização