Ano 2014 - Volume 34, Número 9


Título
Intoxicação espontânea por Ricinus communis (Euphorbiaceae) em bovinos, 34(9):827-831
Autores

Resumo
RESUMO.- Albuquerque S.S.C., Rocha B.P., Albuquerque R.F., Oliveira J.S., Medeiros R.M.T., Riet-Correa F., Evêncio-Neto J. & Mendonça F.S. 2014. Spontaneous poisoning by Ricinus communis (Euphorbiaceae) in cattle. [Intoxicação espontânea por Ricinus communis (Euphorbiaceae) em bovinos.] Pesquisa Veterinária Brasileira 34(9):827-831. Universidade Federal Rural de Pernambuco, Rua Dom Manoel de Medeiros s/n, Dois Irmãos, Recife, PE 52171-900, Brazil. E-mail: fabio.mendonca@pq.cnpq.br

O objetivo deste trabalho é relatar casos de intoxicação espontânea em bovinos por Ricinus communis (mamona) na Paraíba, região semi-árida do nordeste do Brasil. Os casos foram observados em dois rebanhos de propriedades vizinhas no ano de 2013. Os primeiros sinais clínicos se desenvolveram dentro de 6-24 h e consistiam em fraqueza, taquicardia, dispnéia, diarréia aquosa profusa, desidratação, depressão, instabilidade, cólicas, decúbito lateral permanente e morte em 48-72h. Dos 60 bovinos sob risco, 19 foram afetados e 14 morreram. Cinco bovinos se recuperaram totalmente após um período de 12 dias. Três bovinos foram necropsiados. As principais lesões macroscópicas foram hemopericárdio, hemotórax, edema pulmonar, petéquias no epicárdio e endocárdio, equimoses nos músculos papilares e sufusões nos os músculos intercostais. Hemorragias também foram observadas na cavidade abdominal, baço e na mucosa do abomaso e intestino delgado. O conteúdo ruminal estava líquido, e continha grande quantidade de sementes de R. communis. No parênquima hepático havia áreas circulares, esbranquiçadas e distribuídas focalmente. As principais lesões microscópicas consistiam em necrose miocárdica coagulativa multifocal com a presença de infiltrado de células mononucleares e graus variados de hemorragias entre as fibras musculares cardíacas. O abomaso e a mucosa e submucosa do intestino delgado apresentavam edema discreto e infiltrado de células inflamatórias mononucleares e polimorfonucleares. O diagnóstico da intoxciação por R. communis foi baseado na história de consumo de planta, sinais clínicos, patologia da doença e pela presença de grandes quantidades de sementes de R. communis no sistema digestório dos bovinos.
Download / Visualização