Ano 2014 - Volume 34, Número 12


Título
Análise dos valores hematológicos e bioquímicos de Spheniscus magellanicus com detecção molecular de parasitos maláricos aviários (Plasmodium spp.), 34(12):1236-1242
Autores

Resumo
RESUMO.- Campos S.D.E., Pires J.R., Nascimento C.L., Dutra G., Torres-Filho R.A., Toma H.K., Brener B. & Almosny N.R.P. 2014. Analysis of hematologic and serum chemistry values of Spheniscus magellanicus with molecular detection of avian malarial parasites (Plasmodium spp.). [Análise dos valores hematológicos e bioquímicos de Spheniscus magellanicus com detecção molecular de parasitos maláricos aviários (Plasmodium spp.).] Pesquisa Veterinária Brasileira 34(12):1234-1240. Departamento de Patologia e Clínica Veterinária, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense, Rua Vital Brazil Filho 64, Vital Brazil, Niterói, RJ 21230-360, Brazil. E-mail: s.destri@gmail.com

O pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) migra das suas colônias reprodutivas até o extremo sul do Brasil. Esses pinguins frequentemente são acometidos por doenças, notavelmente a malária aviária, que é relatada no Brasil e no mundo. A detecção de Plasmodium spp. no esfregaço sanguíneo é o método de rotina mas apresenta baixa sensibilidade quando comparado aos métodos moleculares. Considerando o impacto negativo da malária aviária nos pinguins, o objetivo deste estudo foi detectar a presença de Plasmodium spp. em pinguins-de-Magalhães usando a Reação em Cadeia da Polimerase (PCR), verificar as alterações clínicas, hematológicas e bioquímicas e o provável prognóstico em resposta à infecção. Amostras de sangue foram obtidas de 75 pinguins para determinar o hematócrito (Ht), contagens totais de eritrócitos e leucócitos, volume globular médio (VGM), concentração de ácido úrico, proteínas totais, albumina, globulinas e atividade da aspartato aminotransferase (AST). O sangue total foi usado para ensaios de PCR. A detecção de Plasmodium spp. foi obtida em 32,0% dos indivíduos pela PCR e em 29,3% pela análise microscópica. Anorexia, diarreia e alterações neurológicas foram mais frequentes nos pinguins com malária, e uma diferença significativa no peso entre pinguins infetados e não infectados foi detectada. Ht e VGM não mostraram diferença significativa. A contagem de eritrócitos e leucócitos foi menor nos animais com a malária aviária e leucopenia esteve presente em alguns pinguins. Contagens de basófilos e linfócitos foram mais baixas nos pinguins infectados, bem como elevadas contagens de monócitos estavam presentes. Não houve diferença significativa para a atividade da AST entre os animais infectados e não infectados. Houve um aumento significativo nos valores de ácido úrico, entretanto houve redução nos valores da albumina entre os pinguins infectados avaliados. Concluiu-se que Plasmodium spp. ocorre em pinguins-de-Magalhães de centros de reabilitação no sudeste brasileiro, comprometendo o peso dos animais infectados e com alterações clínicas aparecendo em casos graves da doença. Percebeu-se que embora alterações hematológicas possam não ser conclusivas, leucopenia, monocitose e diminuição de basófilos e linfócitos revelaram prognóstico desfavorável. A infecção por Plasmodium spp. pode cursar com aumento da concentração de ácido úrico e baixos valores de albumina.
Download / Visualização