Ano 2014 - Volume 34, Número 1001


Título
A dosagem sérica de CPK-MB em cães com desvio ST por quimiluminescência, 34(Supl.1):74-78
Autores

Resumo
RESUMO.- Santos A.L.F., Pereira G.G., Santos M.M., Gutierrez V.C.R., Calyjur P.C. & Larsson M.H.M.A. 2014. Serum dosage of CPK-MB in dogs with ST deviation by chemiluminescence. [A dosagem sérica de CPK-MB em cães com desvio ST por quimiluminescência.] Pesquisa Veterinária Brasileira 34(Supl.1):74-78. Setor de Patologia Veterinária, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Orlando Marques de Paiva 87, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: andrvet@usp.br

Embora frequente em humanos, as doenças hipóxicas e isquêmicas do coração são pouco relatadas em cães, com poucos relatos de infarto agudo do miocárdio (IAM) nesta espécie. Alguns achados no eletrocardiograma podem sugerir hipóxia/isquemia miocárdica, como a elevação ou depressão do segmento ST, mas não há estudos que mostram se os desvios do segmento ST estão associados a lesões miocárdicas e aumento sérico da creatinafosfoquinase (CPK-MB). A fim de investigar possíveis lesões nas células miocárdicas em condições de má perfusão, 38 cães foram estudados, 20 com eletrocardiograma normal e 18 com elevação ou depressão do segmento ST, registrados em papel, na derivação II, velocidade de 50 mm/s e sensibilidade N (1mV = 1cm). A mensuração da creatinafosfoquinase isoenzima MB (CPK-MB) em cães normais (grupo 1) determinou os valores controle (em ng/ml), que foram comparados com os obtidos a partir de cães com desvio (grupo 2), permitindo a confirmação ou não da lesão miocárdica. Os valores médios de CPK-MB obtidos de cães nos grupos 1 e 2 foram 0,540ng/ml (DP±0,890) e 0,440ng / ml (DP ± 1.106), respectivamente. A um nível de significância de 5%, a relação de CPK-MB com a idade, massa e creatinofosfoquinase total (CPK-T) não foi significativa nos grupos 1 e 2. Não houve diferenças na CPK-MB, ao nível de 5%, entre os grupos 1 e 2. Conclui-se que é possível utilizar o kit de ensaio imunométrico por quimioluminescência humano na espécie canina e que a hipoxia/isquemia revelada pelos desvios do segmento ST, não significa lesão miocárdica.
Download / Visualização