Ano 2015 - Volume 35, Número 1


Título
Caracterização do ciclo estral de Galea spixii (Wagler, 1831), 35(1):89-94
Autores

Resumo
RESUMO.- Santos A.C., Viana D.C., Bertassoli B.M., Oliveira G.B., Oliveira D.M., Bezerra F.V.F., Oliveira M.F. & Assis-Neto A.C. 2015. Characterization of the estrous cycle in Galea spixii (Wagler, 1831). [Caracterização do ciclo estral de Galea spixii (Wagler, 1831).] Pesquisa Veterinária Brasileira 35(1):89-94. Setor de Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, São Paulo, SP 05508-030, Brazil. E-mail: antonioassis@usp.br

Os Galea spixii habitam a vegetação semiárida da Caatinga, no Nordeste brasileiro. Eles são criados em cativeiro para realização de pesquisas relacionadas a biologia da reprodução. Sendo assim, o objetivo deste trabalho foi caracterizar o ciclo estral de G. spixii para obtenção de informações que melhorem o conhecimento do manejo reprodutivo da espécie em cativeiro. O ciclo estral foi monitorado por citologia esfoliativa vaginal em doze fêmeas adultas. Após a detecção de dois ciclos completos em cada animal, os mesmos foram eutanasiados. Em seguida foi realizado estudo histológico do epitélio vaginal com três fêmeas em cada fase do ciclo estral; cinco foram pareadas com machos para realização do grupo controle e outras três fêmeas foram utilizadas para monitorar a formação e ruptura da membrana de oclusão vaginal. Através de citologia esfoliativa vaginal, constatou-se predomínio de células superficiais em estro, células intermediárias grandes em proestro, células intermediárias pequenas e células parabasais com presença de neutrófilos em diestro e metaestro, respectivamente. O estro foi detectado pela presença de espermatozoides no grupo controle. Através de histologia, observou-se uma maior proliferação no epitélio vaginal no proestro. Concluiu-se que o ciclo estral de G. spixii dura em média 15.8 ± 1.4 dias e a membrana de oclusão vaginal se desenvolve até completa oclusão do óstio vaginal externo, rompendo-se em poucos dias. Futuros estudos podem revelar a importância deste último fato para o sucesso reprodutivo deste animal.
Download / Visualização