Ano 2015 - Volume 35, Número 3


Título
Efeitos da infecção intramamária no proteinograma de ovinos durante a lactação, 35(3):230-236
Autores

Resumo
RESUMO.- Lemos V.F., Guaraná E.L.S., Afonso J.A.B., Fagliari J.J., Silva P.C., Soares P.C. & Mendonça C.L. 2015. Effects of intramammary infection on whey proteinograms of sheep during lactation. [Efeitos da infecção intramamária no proteinograma de ovinos durante a lactação.] Pesquisa Veterinária Brasileira 35(3):230-236. Clínica de Bovinos, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Campus Garanhuns, Av. Bom Pastor s/n, Cx. Postal 152, Boa Vista, Garanhuns, PE 55292-270, Brazil. E-mail: carlalopes.mendonca@gmail.com

Este estudo teve como objetivo identificar potenciais biomarcadores de infecção na glândula mamária de ovelhas Santa Inês. Foram monitorados rebanhos comerciais de ovinos, submetidos ao mesmo manejo higiênico-sanitário e nutricional, criados em sistemas de produção semi-intensivo durante as várias fases de lactação e avaliados aos 15, 30, 60 e 90 dias após o parto (até o final da lactação e desmame). Realizou-se o California Mastit Test (CMT). O leite foi coletado para análise bacteriana e análise de proteínas. Foi realizada a cultura bacteriana e a caracterização bioquímica das amostras. Foram selecionadas 42 amostras de leite provenientes de glândulas sadias (CMT negativo e teste bacteriológico negativo) e 43 amostras de leite de glândulas infectadas (CMT positivo e teste bacteriológico positivo). O soro lácteo foi obtido por meio da adição de renina. A proteína total no soro lácteo foi mensurada utilizando o método do biureto e a identificação das proteínas empregando-se eletroforese em gel de poliacrilamida com dodecil sulfato de sódio (SDS-PAGE), permitindo a quantificação de nove proteínas no soro lácteo das glândulas sadias: albumina, lactoferrina, IgA, IgG de cadeia pesada (IgG CP), IgG de cadeia leve (IgG CL), a IgG total (IgG CP+ IgG CL), α-lactalbumina, β-lactoglobulina, proteína de PM 15.000 Da, proteína de PM 29.000 Da. No soro das glândulas infectadas foram identificadas onze proteínas, incluindo além das citadas acima a haptoglobina e α-1 glicoproteína ácida. Na comparação das proteínas do soro lácteo de glândulas sadias e infectadas observou-se aumento (P<0,05) em todas as proteínas, com exceção de IgG CL e α-lactoalbumina. As alterações mais expressivas foram observadas nas concentrações de α1-glicoproteína ácida, lactoferrina e haptoglobina, que demostraram aumentos de três, cinco e sete vezes, respectivamente. Este estudo demonstrou que a haptoglobina, α-1-glicoproteína ácida, lactoferrina, albumina e as imunoglobulinas IgA e IgG podem ser caracterizadas como potenciais marcadores para a infecção da glândula mamaria em ovelhas.
Download / Visualização