Ano 2015 - Volume 35, Número 1001


Título
Análise histomorfométrica do tendão calcanear comum de ratos Wistar tratado com laserterapia e exercício excêntrico, 35(Supl.1):39-50
Autores

Resumo
RESUMO.- Souza M.V., Moreira J.C.L., Silva M.O., Crepaldi J., Silva C.H.O., Garcia S.L.R. & Natali A.J. 2015. Histomorphometric analysis of the Achilles tendon of Wistar rats treated with laser therapy and eccentric exercise. [Análise histomorfométrica do tendão calcanear comum de ratos Wistar tratado com laserterapia e exercício excêntrico.] Pesquisa Veterinária Brasileira 35(Supl.1):39-50. Departamento de Veterinária, Universidade Federal de Viçosa, Avenida Peter Henry Rolfs s/n, Campus Universitário, Viçosa, MG 36570-000, Brazil. E-mail: msouza@ufv.br

O laser de baixa potência é recomendado para o tratamento das tendinopatias apesar dos resultados contraditórios no que se refere a dose de energia ideal, comprimento de onda e tempo de aplicação. O objetivo desse estudo foi avaliar os efeitos da laserterapia e do exercício excêntrico na tendinopatia do tendão calcanear comum de ratos Wistar. Foram utilizados 48 ratos machos adultos. Os animais foram distribuídos aleatoriamente em quatro grupos (L=laser; E=exercício excêntrico; LE=laser e exercício excêntrico, e R=repouso). Após 24h da indução de tendinopatia unilateral, foi iniciada laserterapia (904nm/3J/cm²) e/ou exercício excêntrico (caminhada em declive; esteira com 15o de inclinação; 12m/min; 50min/dia) que permaneceu por 20 dias. Aos 3, 7, 14 e 21 dias após indução da lesão, três ratos de cada grupo foram submetidos à eutanásia, e os tendões foram obtidos para análises histológica e morfométrica. Não houve diferença entre grupos nem entre tempos nas características hemorragia (p=0,4154), formação de aderência fibrinosa (p=0,0712) e organização das fibras colágenas (p=0,2583) e do tecido conjuntivo (p=0,1046). Considerando os grupos, independentemente do tempo, foi observado que o exercício excêntrico ocasionou espessamento do epitendão (p=0,0204), que foi menor no grupo submetido à laserterapia. A análise histológica revelou diferença (p=0,0032) na quantidade de células inflamatórias ao longo do tempo, sendo observado em maior quantidade no grupo apenas exercitado. Esse resultado foi confirmado pela análise morfométrica, que demonstrou haver interação significativa (grupos x tempo) nessa característica, na qual o exercício excêntrico aumentou (p=0,0014) o infiltrado inflamatório ao longo do tempo (3 e 21 dias), porém, quando associado à laserterapia, ocorreu redução da reação inflamatória. Por outro lado, a associação dos tratamentos ocasionou maior angiogênese observada nas análises morfométrica (p=0,0000) e histológica (p=0,0006), quando comparada com os demais grupos, enquanto a aplicação isolada do laser de baixa potência reduziu essa característica ao longo do tempo. Os animais mantidos em repouso foram os que apresentaram menor (p=0,0000) quantidade de fibroblastos, na análise morfométrica, porém na avaliação histológica foi observada interação significativa entre grupo e tempo (p=0,0024). Maior quantidade de fibroblastos foi observada nos grupos E, L e LE, no 7o, 14o e 21o dias, respectivamente. Os animais que receberam laserterapia e foram exercitados apresentaram maior (p=0,0000) quantidade de fibras colágenas ao longo do tempo. A laserterapia na dose de 3J e comprimento de onda de 904nm, iniciada 24h após indução cirúrgica de tendinopatia em ratos Wistar é adequada para angiogênese e para evitar o espessamento do tendão, que pode estar relacionado com a intensidade do processo inflamatório. Quando associada ao exercício excêntrico, a terapia apresenta a vantagem de aumentar a quantidade de fibras colágenas, reduzir a aderência fibrinosa e infiltrado inflamatório, apesar de prolongar a angiogênese. Portanto, o exercício excêntrico realizado concomitantemente com a laserterapia melhora as propriedades histológicas do tendão lesionado.
Download / Visualização