Ano 2016 - Volume 36, Número 5


Título
Identificação de rebanhos de cordeiros suscetíveis e resistentes a intoxicação por braquiária, 36(5):383-388
Autores

Resumo
RESUMO.- Pupin R.C., Melo G.K.A., Heckler R.F., Faccin T.C., Ítavo C.C.B.F., Fernandes C.E, Gomes D.C. & Lemos R.A.A. 2016. Identification of lamb flocks susceptible and resistant against Brachiaria poisoning. [Identificação de rebanhos de cordeiros suscetíveis e resistentes a intoxicação por braquiária.] Pesquisa Veterinária Brasileira 36(5):383-388. Laboratório de Anatomia Patológica, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Av. Senador Filinto Müller 2443, Campo Grande, MS 79074-460, Brazil. E-mail: ricardo.lemos@ufms.br

Este estudo avaliou a resistência genética na ocorrência de intoxicação por braquiária em ovinos. Foram selecionados dois grupos de ovinos, um identificado como suscetível (formado por duas ovelhas e um carneiro) e o outro como resistente (formado por três ovelhas e um carneiro). Foram considerados suscetíveis ovinos que apresentaram sinais de intoxicação por Brachiaria spp. em algum ponto de suas vidas e resistentes aqueles ovinos que, mesmo criados em pastagem de braquiária, nunca desenvolveram qualquer sinal da intoxicação. A progênie desses dois grupos (15 cordeiros do grupo suscetível e 9 no grupo resistente) foi colocada numa pastagem de braquiária (inicialmente Brachiaria decumbens e B. brizantha e, após o desmame, apenas B. decumbens) e acompanhada durante dois anos (2013-2014). A determinação dos níveis de protodioscina em B. decumbens foi realizada apenas em 2014 e foram encontradas quantidades significativas do princípio tóxico. Onze cordeiros do grupo suscetível foram afetados por algum grau de intoxicação por braquiária; nenhum cordeiro do grupo resistente foi afetado. Os sinais clínicos consistiam de graus variáveis de edema subcutâneo da face e eritema e alopecia da pele das orelhas, crostas na pele das orelhas e ao redor dos olhos e no plano nasal, retração cicatricial das orelhas, fotofobia e corrimento ocular bilateral. Três cordeiros apresentaram desenvolvimento retardado. Vários cordeiros se recuperaram da condição, mas posteriormente quando foram colocados na pastagem apresentaram recidivas. Achados de necropsia em seis cordeiros incluíam mucosas pálidas, pobre condição corporal, dermatite, deformação cicatricial das orelhas, fígado aumentado de volume, amarelo e com padrão lobular evidenciado e graus moderados de infestação por Haemonchus contortus. Histologicamente, as lesões hepáticas eram semelhantes em todos os cordeiros necropsiados, mas apresentavam vários graus de intensidade; eram consistentes com as lesões de intoxicação por braquiária e consistiam de desorganização da arquitetura trabecular dos hepatócitos, agregados de macrófagos espumosos ocasionalmente formando células gigantes multinucleadas, hepatócitos tumefeitos e vacuolizados, cristais ou imagem negativa de cristais no sistema biliar, bilestase, proliferação de ductos biliares e infiltrado linfoplasmocitário nas tríades portais. As lesões da pele eram de fotodermatite e incluíam necrose da epiderme, hiperqueratose e infiltrado neutrofílico na derme. Os resultados desse estudo permitem concluir que há uma resistência genética à intoxicação por braquiária em ovinos, uma vez que a progênie dos ovinos resistentes não manifestou a intoxicação. O uso de rebanhos resistentes em pastagens e braquiária é sugerido como uma valiosa opção para prevenir a intoxicação por braquiária em ovinos.
Download / Visualização