Ano 2016 - Volume 36, Número 8


Título
Avaliação tromboelastométrica de equinos submetidos a trombose e trombectomia jugular experimental, 36(8):677-686
Autores

Resumo
RESUMO.- Pizzigatti D., Gonçalves D.S., Trentin T.C., Takahira R.K., Alves A.L.G., Rodrigues C.A., Watanabe M.J. & Hussni C.A. 2016. Thromboelastometric evaluation of horses submitted to experimental thrombosis and jugular thrombectomy. [Avaliação tromboelastométrica de equinos submetidos a trombose e trombectomia jugular experimental.] Pesquisa Veterinária Brasileira 36(8):677-686. Departamento de Cirurgia e Anestesiologia Veterinária, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Estadual Paulista, Distrito de Rubião Jr s/n, Botucatu, SP 18618-918, Brazil. E-mail: cahussni@fmvz.unesp.br

A trombose jugular nos equinos ocorre comumente em situações iatrogênicas, secundárias a quadros endotoxêmicos e a coagulação vascular disseminada, podendo levar ao óbito. Por isso, avaliação hemostática se faz necessária e de extrema importância para monitorar os riscos de hipercoagulabilidade sistêmica e também a eficiência do tratamento alopático e cirúrgico. Este trabalho descreve o comportamento hemostático na trombose jugular experimental de dez equinos hígidos, submetidos posteriormente a duas técnicas de trombectomia e recebendo heparina sódica como terapia anti retrombosante. Estes animais foram avaliados durante 20 dias por tromboelastometria (TEM), contagem de plaquetas, hematócrito e fibrinogênio, em quatro momentos: pré-indução à flebite (D0-MPF); três dias após a indução da tromboflebite (D3-MFM); 6 dias após, - momento de tromboflebite - (D9-MT); e 54 (D16) e 126 (D19) horas após as trombectomias (MPT). A trombectomia foi realizada com Anel de Vollmar (grupo 1, n=5) e cateter de Fogarty (grupo 2, n=5). Todos os animais receberam heparina (150 UI/Kg, SC) a cada 12 horas, durante dez dias após as respectivas trombectomias. Através de amostras de sangue, foram avaliadas a TEM, o tempo de tromboplastia parcial ativada (TTPa) e tempo de protrombina (TP), a dosagem de fibrinogênio, hematócrito e contagem de plaquetas nos momentos descritos acima. Para a comparação entre os grupos e momentos foi aplicado teste t, com nível de significância de 5%. Não foi verificada diferença significativa entre os grupos de tratamento em nenhum dos momentos. Houve redução do tempo de coagulação (CT) e do tempo de formação do coágulo (CFT), com aumento da lise máxima (LM) até o momento D9-MT. A avaliação com o reagente intem apresentou prolongamento do CT e do CFT e redução do ângulo α e da LM a partir do D16 e D19. Da mesma forma, o TTPa apresentou diferenças significativas entre os momentos pré (D0, 3 e 9) e pós (D16 e 19) tratamento cirúrgico e anticoagulante. Houve diminuição do número de plaquetas nos momentos D16 e D19. Na avaliação com reagente extem ocorreu apenas o prolongamento do CT e CFT entre os momentos D0 e o D3 e D9. O TP não apresentou diferenças significativas. Os resultados obtidos demonstram que a tromboflebite jugular experimental leva a alterações clínicas locais, com comprometimento tecidual e da via extrínseca da coagulação (extem), porém sem evidências de um estado sistêmico de hipercoagulabilidade, pois não houve aumento do ângulo alfa e da firmeza máxima do coágulo (MCF). Além disso, a TEM se mostrou útil e mais sensível que os testes convencionais de coagulação (TP, TTPa e fibrinogênio) para o acompanhamento da terapia anticoagulante, conforme demonstrado em outros trabalhos.
Download / Visualização