Ano 0213 - Volume 2131, Número 312


Título
Determinação do volume atrial esquerdo em cães sadios e portadores da degeneração mixomatosa da válvula mitra, 36(8):743-748
Autores

Resumo
RESUMO.- Franco R.P., Zacche E., Camacho R.R., Sousa M.G. & Camacho A.A. 2016. Determination of left atrial volume in healthy dogs and dogs with myxomatous mitral valve disease. [Determinação do volume atrial esquerdo em cães sadios e portadores da degeneração mixomatosa da válvula mitral.] Pesquisa Veterinária Brasileira 36(8):743-748. Departamento de Ciências Agrárias e Veterinária, Universidade de Marília, Avenida Hygino Muzzi Filho 1001, Campus Universitário, Marilia, SP 17525-902, Brazil. E-mail: vetrpf@yahoo.com.br

A mensuração do volume atrial esquerdo (VAE) pode ser obtido pelo método biplanar de Simpson via ecocardiografia. Embora na medicina tal parâmetro venha sendo considerado um marcador prognóstico da sobrecarga atrial esquerda em várias cardiopatias, nos cães com degeneração mixomatosa da válvula mitral (DMVM), valvulopatia caracterizada pela sobrecarga do átrio esquerdo (AE), a avaliação da sobrecarga atrial é realizada rotineiramente apelas pela relação entre o diâmetro do AE e da artéria Aorta (Ao) (AE:Ao). Portanto, procurou-se mensurar os valores do LAV indexados à área de superfície corporal (ASC) em cães sadios e em portadores da DMVM utilizando-se do método biplanar de Simpson. Para tanto, foram avaliados 107 cães sadios (controle) e 81 portadores da DMVM nos estágios B1, B2 e C (ACVIM), sendo o VAE calculado nos momentos da diástole (d) e sístole (s) atrial utilizando o método biplanar de Simpson. Imagens bidimensionais apicais quatro (4C) e duas câmaras (2C) foram obtidas pela janela paraesternal esquerda em todos os cães. Os valores do LAV nos cães sadios foram correlacionados com o peso corporal utilizando o teste de Pearson. Para a comparação dos cães sadios com os portadores da DMVM, bem como para investigar diferenças atribuídas aos diferentes estágios da DMVM, empregou-se análise de variância (ANOVA) e o teste de Tukey. Uma correlação positiva forte foi identificada entre VAEd (r>0,77), VAEs (r>0,73) e o peso corporal dos cães sadios. O LAV indexado pela ASC calculado para os cães portadores de DMVM foi significativamente diferente (p<0,01) daquele obtido no grupo controle. Também foram observadas diferenças significativas (p<0,05) no VAE quando as classes B2 e C, e B1 e C foram comparadas. Em conclusão, este estudo fornece uma referência para o volume atrial esquerdo e a aplicabilidade dessa técnica para avaliação da sobrecarga atrial em cães com DMVM em diferentes estágios.
Download / Visualização