Ano 2016 - Volume 36, Número 9


Título
Pressão sanguínea e lesão renal em cães com leishmaniose visceral, 36(9):857-863
Autores

Resumo
RESUMO.- Sousa M.G., Lima A.B.G., Araújo C.R.A., Silva V.B.C., Ramos A.T., Machado G.F., Melo G.D. & Carareto R. 2016. Blood pressure and renal injury in dogs with visceral leishmaniasis. [Pressão sanguínea e lesão renal em cães com leishmaniose visceral.] Pesquisa Veterinária Brasileira 36(9):857-863. Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Rua dos Funcionários 1540, Cabral, Curitiba, PR 80035-050, Brazil. E-mail: marlos98@ufpr.br

A hipertensão sistêmica é reconhecida como uma consequência comum da doença renal crônica, cujo diagnóstico é frequente em cães com leishmaniose visceral. Embora muitas pesquisas veterinárias tenham investigado a lesão renal causada pela Leishmania spp., o papel dessa complicação no desenvolvimento da hipertensão arterial documentada em alguns animais com leishmaniose visceral ainda não é completamente compreendido. Neste estudo, 18 cães adultos com diagnóstico de leishmaniose visceral e sinais clínicos variáveis foram submetidos à avaliação indireta da pressão arterial. Além disso, foram coletados soro e urina para análises laboratoriais. As medianas das pressões arteriais sistólica, média e diastólica foram 135,2mmHg (intervalo de confiança de 95%: 128,5-147,7), 105,8mmHg (98,3-110,4) e 88,5mmHg (77,8-92,5), respectivamente. Não foram constatadas diferenças entre os cães assintomáticos e sintomáticos em relação à pressão arterial, assim como não houve correlação entre a pressão arterial e a creatinina e uréia séricas, relação proteína-creatinina urinária, densidade urinária e excreção fracionada de sódio e potássio. Embora não tenha sido evidenciada associação entre hipertensão arterial e inflamação do tecido renal à histopatologia, a avaliação das amostras oriundas de 12 cães indicou inflamação leve, com infiltrado linfoplasmocitário (6/12), inflamação moderada com infiltrados linfoplasmocitário e histiocítico multifocais (3/12), além de degeneração multifocal e cilindros protéicos (2/12). Ensaios imunoistoquímicos anti-Leishmania spp. marcaram o epitélio renal em 2/12 animais. Apesar de hipertensão leve ter sido documentada em uma pequena parcela dos cães estudados, não se evidenciou relação entre a severidade dos sinais clínicos e o desenvolvimento de hipertensão arterial.
Download / Visualização