Ano 2016 - Volume 36, Número 9


Título
Indícios de exposição a leptospiras em primatas neotropicais resgatados do comércio ilegal e de um Zoológico da Bahia, 36(9):864-868
Autores

Resumo
RESUMO.- Almeida D.S, Santos A.C., Silva C.L.R., Oriá A.P., Oliveira A.V.D., Libório F.A., Athanazio D.A. & Pinna M.H. 2016. Evidence of leptospiral exposure in neotropical primates rescued from illegal trade and a Zoo in Bahia, Brazil. [Indícios de exposição a leptospiras em primatas neotropicais resgatados do comércio ilegal e de um Zoológico da Bahia.] Pesquisa Veterinária Brasileira 36(9):864-868. Departamento de Patologia e Medicina Legal, Praça XV de Novembro s/n, Largo do Terreiro de Jesus, Salvador, BA 40025-010, Brazil. E-mail: daa@ufba.br

Poucos estudos compararam a soroprevalência de aglutininas antileptospira com a demonstração de excreção urinária de leptospiras ou evidência de infecção ativa em primatas não humanos. A população estudada consistiu em 58 animais, sendo 42 primatas do Parque Zoobotânico Getúlio Vargas, Bahia, Brasil. O estudo avaliou ainda 16 primatas (Cebus sp.) resgatados do tráfico ilegal e abrigados no Centro de Triagem de Animais Silvestres Chico Mendes, Salvador, Bahia, Brasil. A soroprevalência de anticorpos antileptospira foi baixa (2%) nos animais do Zoológico. Uma taxa mais elevada (31%) foi observada nos animais resgatados do tráfico ilegal. Mesmo que todas as amostras de sangue e urina tenham sido negativas para DNA de leptospiras, a alta frequência de evidência de exposição nos animais de origem selvagem indicam o risco potencial da adoção de primatas como animais de estimação.
Download / Visualização