Ano 2017 - Volume 37, Número 2


Título
Aspectos morfológicos e ultraestruturais de células sanguíneas de Crotalus durissus terrificus, 37(2):183-194
Autores

Resumo
RESUMO.- Kindlovits L.M., Miranda F.J.B., Damasceno-Sá J.C., Da Matta R.A. & Almosny N.R.P. 2017. [Morphological and ultrastructural aspects of Crotalus durissus terrificus blood cells.] Aspectos morfológicos e ultraestruturais de células sanguíneas de Crotalus durissus terrificus. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(2):183-194. Departamento de Patologia Clínica Veterinária, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense, Rua Vital Brazil Filho 64, Niterói, RJ 24230-360, Brazil. E-mail: almosny@gmail.com

A avaliação hematológica, de importância comprovada como um meio auxiliar de diagnóstico ao clínico de pequenos animais domésticos, vem se tornando comum em animais selvagens não apenas para a clínica, mas para a avaliação do manejo e como estudo auxiliar para a fisiologia das várias espécies. Tendo em vista o aumento da demanda para a produção de várias drogas de importância farmacêutica, a criação de serpentes peçonhentas vem se tornando comum a ponto destes animais já serem reconhecidos como sendo de produção. O conhecimento do manejo e da clínica destes animais ainda é escasso e a mortalidade é elevada nos criatórios, tornando urgente a ampliação destes. Embora alguns estudos hematológicos já tenham sido realizados em cascavéis (Crotalus durissus) os dados analisados ainda são insipientes, notadamente em relação à caracterização das células do sangue e poucos estudos em microscopia eletrônica foram realizados em serpentes. Com o objetivo de caracterizar as células sanguíneas morfologicamente, sob microscopia óptica e ultraestrutural, foram coletadas amostras de sangue de 52 de indivíduos da subespécie Crotalus durissus terrificus para a realização de esfregaços sanguíneos e avaliação ultraestrutural. Concluiu-se que a coloração hematológica de Giemsa permite a avaliação morfológica e a diferenciação das células sanguíneas em serpentes assim como a visualização de hemoparasitos. A avaliação ultraestrutural permite evidenciar as organelas celulares e a diferenciação entre as células, inclusive entre os tipos leucocitários, porém ainda são necessários outros estudos para que seja elucidada a hipótese da existência dos eosinófilos na espécie estudada assim como é necessária melhor caracterização dos grânulos dos azurófilos para que se confirme uma possível diferença entre os monócitos típicos e os azurófilos.
Download / Visualização