Ano 2017 - Volume 37, Número 4


Título
Bactérias multirresistentes isoladas de artrite séptica equina, 37(4):325-330
Autores

Resumo
RESUMO.- Motta R.G., Martins L.S.A., Motta I.G., Guerra S.T., De Paula C.L., Bolanos C.A.D., Silva R.C. & Ribeiro M.G. 2017. Multidrug resistant bacteria isolated from septic arthritis in horses. [Bactérias multirresistentes isoladas de artrite séptica equina.] Pesquisa Veterinária Brasileira 37(4):325-330. Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Estadual Paulista, Cx. Postal 560, Botucatu, SP 18618-681, Brazil. E-mail: rgmottafmvz@gmail.com

Artrite séptica é uma artropatia infecciosa debilitante de equinos, que requer diagnóstico precoce e intervenção terapêutica imediata, com intuito de evitar a degeneração de a cartilagem articular e a perda da capacidade atlética e de trabalho dos animais. Poucos estudos têm investigado a complexidade etiológica da afecção, bem como a presença de multirresistência dos isolados aos antimicrobianos. Foram investigados 60 equinos portadores de artrite, submetidos à colheita asséptica de líquido sinovial para a realização de cultivo microbiológico e teste de sensibilidade microbiana in vitro (difusão com discos) com nove antimicrobianos pertencentes a seis diferentes grupos farmacológicos. Foi obtido isolamento microbiano em 45 (75,0%) amostras, como segue: Streptococcus equi subsp. equi (11=18,3%), Escherichia coli (9=15,0%), Staphylococcus aureus (6=10,0%), Streptococcus zooepidemicus (5=8,3%), Staphylococcus intermedius (2=3,3%), Proteus vulgaris (2=3,3%), Trueperella pyogenes (2=3,3%), Pseudomonas aeruginosa (2=3,3%), Klebsiella pneumoniae (1=1,7%), Rhodococcus equi (1=1,7%), Staphylococcus epidermidis (1=1,7%), Klebsiella oxytoca (1=1,7%), Nocardia asteroides (1=1,7%) e Enterobacter cloacae (1=1,7%). Ceftiofur foi o antimicrobiano mais efetivo (>70% eficácia) in vitro diante dos patógenos. Em contraste, alta resistência dos isolados (>70% de resistência) foi observada para penicilina (42,2%), enrofloxacino (33,3%) e amicacina (31,2%). Onze (24,4%) isolados foram resistentes a três ou mais diferentes grupamentos de fármacos e considerados com resistência múltipla aos antimicrobianos. O presente estudo enaltece a complexidade etiológica envolvida na artrite séptica em equinos e ressalta a necessidade de instituir o tratamento dos animais com respaldo de testes de sensibilidade microbiana in vitro em virtude da resistência múltipla dos isolados. De acordo com a literatura consultada, esta é a primeira descrição no país da etiologia da artrite séptica em grande número de equinos associada a multirresistência dos isolados aos fármacos testados.
Download / Visualização