Ano 2017 - Volume 37, Número 5


Título
Isolamento e caracterização de espécies de Pythium de ambientes aquáticos no Estado do Rio Grande do Sul e avaliação da patogenicidade em modelo experimental, 37(5):459-464
Autores

Resumo
RESUMO.- Zambrano C.G., Fonseca A.O.S., Valente J.S.S., Braga C.Q., Sallis E.S.V., Azevedo M.I., Weiblen C., Santurio J.M., Botton S.A. & Pereira D.I.B. 2017. [Isolation and characterization of Pythium species from swampy areas in the Rio Grande do Sul, Brazil, and evaluation of pathogenicity in an experimental model.] Isolamento e caracterização de espécies de Pythium de ambientes aquáticos no Estado do Rio Grande do Sul e avaliação da patogenicidade em modelo experimental. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(5):459-464. Laboratório de Micologia, Instituto de Biologia, Departamento de Microbiologia e Parasitologia, Universidade Federal de Pelotas, Campus Universitário s/n, Pelotas, RS 96160-000, Brazil. E-mail: danielabrayer@gmail.com

Foram coletadas 186 amostras de água de ambientes pantanosos em 13 municípios das regiões Sul, Central e Oeste do Rio Grande do Sul, Brasil, com o objetivo de isolar e caracterizar espécies de Pythium e avaliar a sua patogenicidade empregando coelhos como modelo experimental. Em 11,8% (n=22) das águas coletadas foram isoladas diferentes espécies de Pythium incluindo: P. insidiosum (n=1), P. catenulatum (n=3), P. pachycaule voucher (n=1), P. rhizo-oryzae (n=3), P. torulosum (n=4) e Pythium spp. (n=10). Zoósporos desses micro-organismos foram produzidos in vitro e inoculados por via subcutânea em coelhos, os quais foram avaliados durante 45 dias. Dentre os oomicetos testados, apenas P. insidiosum evidenciou patogenicidade, causando pitiose no modelo experimental, evidenciando que, em nossas condições, apenas esta espécie de Pythium é patógena para mamíferos.
Download / Visualização