Ano 2017 - Volume 37, Número 6


Título
Estudos imuno-histoquímico, lectino-histoquímico e ultraestrutural do Tumor Venéreo Transmissível Canino no Brasil, 37(6):613-620
Autores

Resumo
RESUMO.- Mascarenhas M.B., Peixoto P.V., Ramadinha R.R., Armién A.G., Costa S.Z., Miranda I.C., Nogueira V.A. & França T.N. 2017. Immunohistochemical, lectin histochemical and ultrastructural studies of canine transmissible venereal tumor in Brazil. [Estudos imuno-histoquímico, lectino-histoquímico e ultraestrutural do Tumor Venéreo Transmissível Canino no Brasil.] Pesquisa Veterinária Brasileira 37(6):613-620. Programa de Pós-Graduação em Medicina Veterinária, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, BR-465 Km 7, Seropédica, RJ 23890-000, Brazil. E-mail: mm.bezerra@yahoo.com

O Tumor Venéreo Transmissível Canino (CTVT) é uma neoplasia de células células redondas, contagiosa, com origem e transmissão ainda mal compreendidas. Com a finalidade de aprofundar a investigação sobre a natureza (origem) do TVTC, bem como fornecer subsídios para o estabelecimento do diagnóstico e diagnóstico diferencial, realizaram-se avaliações imuno-histoquímica, lectino-histoquímica e ultraestrutural de TVTC(s). A avaliação imuno-histoquímica foi feita em 10 TVTCs genitais e em 6 exclusivamente extragenitais previamente diagnosticados através de citologia e da histopatologia. Os TVTCs foram testados para reagentes específicos de antígenos de membrana e citoplasmáticos (anti-lisozima, anti-macrófago, anti-vimentina, anti-CD18, anti-CD3, anti-CD79, anti-CD117) com utilização da técnica complexo avidina-biotina-peroxidase. Adicionalmente, foram utilizadas as lectinas Con A, DBA, SBA, PNA, UEA-1, WGA, sWGA, GSL, SJA, PSA, PHA-L, PHA-E e RCA em quatro TVTCs genitais. Microscopia eletrônica foi realizada em oito TVTC genitais. Em 100% dos tumores testados (16/16) com anticorpo anti-vimentina (mono e policlonal) houve forte imuno-reatividade. Não houve reatividade para os anticorpos anti-lisozima, anti-macrófago, anti-CD18, anti-CD3, anti-CD79a e anti-CD117 quando empregamos anticorpos monoclonais, entretanto, com a utilização de anticorpos policlonais verificou-se marcação dos tumores com os anticorpos anti-CD3 e anti-CD117. Na avaliação lectino-histoquímica foi verificada forte marcação das células tumorais com Con-A, PHA-L e RCA. Não houve diferença histopatológica e de imuno-reatividade entre os TVTCs genitais e extragenitais. Estes achados não corroboram com a hipótese da origem histiocítica do CTVT (ausência de reatividade dos anticorpos anti-lisozima, anti-macrófago e anti-CD18), entretanto, os resultados da avaliação lectino-histoquímica foram em parte similares aos obtidos quando células de origem linfóide/mielóide (ConA, PHA-L e RCA) foram analisadas (Gimeno et al. 1995).
Download / Visualização