Ano 2017 - Volume 37, Número 6


Título
Histerectomia minimamente invasiva em Quatis (Nasua nasua), 37(6):627-629
Autores

Resumo
RESUMO.- Minto B.W., Nagatsuyu C.E., Teixeira C.R., Zanuzzo F.S., Candido T.D., Diogo L.M.I. & Macedo A.S. 2017. Minimally invasive hysterectomy in Coatis (Nasua nasua). [Histerectomia minimamente invasiva em Quatis (Nasua nasua).] Pesquisa Veterinária Brasileira 37(6):627-629. Departamento de Clínica e Cirurgia Veterinária, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Via de Acesso Prof. Paulo Donato Castellane s/n, Vila Nova Aparecida, Jaboticabal, SP 14884-900, Brazil. E-mail: brunobtu@yahoo.com.br

Algumas espécies selvagens, como os quatis, possuem alto grau de adaptabilidade a condições adversas, como as de florestas urbanas fragmentadas, cada vez mais comuns no cenário mundial. O aumento do número destes mesopredadores causa alterações drásticas nas comunidades de pequenos predadores, interfere no sucesso reprodutivo de árvores, além de se tornar uma forma de intercâmbio entre áreas domésticas e selvagens, facilitando a veiculação de zoonoses e aumentando a ocorrência de ataques a animais ou pessoas. O presente relato descreve a utilização da histerectomia minimamente invasiva em dois indivíduos da espécie Nasua nasua, que pode ser realizada por meio da utilização da técnica do gancho, comumente utilizada para a castração de cães e gatos. A incisão reduzida e a rapidez da cicatrização dos tecidos incisados são fundamentais no manejo de espécies selvagens, visto que os cuidados pós-operatórios são limitados pelo comportamento desses animais. Esta técnica mostrou-se eficaz e pode reduzir sobremaneira a morbidade desse procedimento em quatis.
Download / Visualização