Ano 2017 - Volume 37, Número 6


Título
Bem-estar dos cordeiros submetidos ao transporte rodoviário e avaliação das carcaças e carnes, 37(6):630-636
Autores

Resumo
RESUMO.- Silva F.V., Borges I., Lana A.M.Q., Borges A.L.C.C., Sá H.C.M., Silva V.L., Alves L.R.N. & Souza F.A. 2017. [Welfare of lambs subjected to road transport and assessment of carcasses and meat.] Bem-estar dos cordeiros submetidos ao transporte rodoviário e avaliação das carcaças e carnes. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(6):630-636. Departamento de Ciências Agrárias, Universidade Estadual de Montes Claros, Av. Reinaldo Viana s/n, Janaúba, MG 39440-000, Brazil. E-mail: fredson.silva@unimontes.br

Objetivou-se avaliar o grau de bem-estar dos cordeiros submetidos ao transporte rodoviário e suas carcaças e carnes. Para isto, fez-se a avaliação dos parâmetros comportamentais durante o transporte, dos parâmetros fisiológicos após o desembarque e antes do abate e a caracterização das carcaças e carnes dos cordeiros. Realizaram-se quatro transportes rodoviários com durações crescentes (1h45min, 3h52min, 7h30min e 10h30min), cada transporte continha vinte cordeiros. O peso corporal dos animais foi de 36,64±2,13 kg antes do transporte. Os cordeiros foram abatidos 15 horas após o desembarque. Os cordeiros deitaram por pouco tempo (mediana igual à zero a cada 20min) em jornadas menores que 3h52min. O número de eventos potencialmente traumáticos foi baixo (mediana próxima a zero, a cada 20min) para quaisquer durações dos transportes. As concentrações de adrenalina e cortisol, bem como os metabólitos que são controlados por eles, foram semelhantes entre os tratamentos. Contudo, a massa das carcaças diminuiu e as concentrações de creatina quinase aumentaram linearmente quando os transportes foram mais longos, o que podem revelar diminuição do bem-estar. A qualidade da carne de cordeiros não sofreu interferências da duração dos transportes.
Download / Visualização