Ano 2017 - Volume 37, Número 8


Título
Pesquisa de anticorpos IgG para Neospora caninum e avaliação dos fatores de risco em ovinos do Estado de Sergipe, 37(8):813-819
Autores

Resumo
RESUMO.- Rizzo H., De Jesus T.K.S., Gaeta N.C., Carvalho J.S., Pinheiro Júnior J.W., Gregory L., Gennari S.M. & Villalobos E.M.C. 2017. [Neospora caninum IgG antibody research and evaluation of the risk factors associated to the infection in ovine, State of Sergipe, Brazil.] Pesquisa de anticorpos IgG para Neospora caninum e avaliação dos fatores de risco em ovinos do Estado de Sergipe. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(8):813-819. Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Campus Dois Irmãos, Rua Manoel de Medeiros s/n, Recife, PE 52171-900, Brazil. E-mail: hubervet@gmail.com

O objetivo desse trabalho foi determinar a ocorrência de anticorpos IgG para Neospora caninum bem como avaliar os fatores de risco associados à infecção em rebanhos ovinos do estado de Sergipe, Brasil. Foram coletadas, nos anos de 2011 e 2012, 1200 amostras de sangue de ovinos oriundos de sessenta propriedades distribuídas em três mesorregiões do estado para pesquisa de anticorpos para N. caninum pela Reação de Imunofluorescência Indireta (RIFI) utilizando-se como ponto de corte de 50 e as amostras diluídas na base 2. Os dados de 34 variáveis estudadas foram obtidos a partir de questionários aplicados aos proprietários e analisados para se determinar a frequências absolutas e relativas e análise dos fatores de risco pelo teste Qui-quadrado de Pearson (p≤0,05). A ocorrência de ovinos soropositivos para N. caninum foi de 39,83% (478/1200). Em relação às mesorregiões a ocorrência de animais e propriedades positivas foi de, respectivamente, 55,88% (380/680) e 88,24% (30/34) na Leste; 21,42% (60/280) e 42,85% (6/14) no Agreste e 15,83% (38/240) e 41,67% (5/12) no Sertão. Os títulos de anticorpos variaram de 50, representando 96,02% (459/478) das amostras soropositivas, a 6400 (1/478). Dentre as variáveis significantes, na analise multivariada, que foram consideradas com fatores de risco para a infecção pelo N. caninum estavam propriedades localizadas na mesorregião Leste (p=0,000, OR=4,64, IC95%=3,36-6,41), presença de fonte de água parada e corrente (p=0,000 OR=2,03, IC95%=1,41-2,92), ausência de quarentena (p=0,000 OR=2,71, IC95%=2,08-3,53), não utilização de esterqueiras (p=0,000 OR=3,14, IC95%=2,45-4,02), criações com finalidade de subsistência (p=0,000 OR=4,99, IC95%=3,15-7,92), de reprodução (p=0,002, OR=1,74, IC95%=1,22-2,49), presença de cães (p=0,000 OR=2,74, IC95%=1,73-433) e circulação de animais silvestres nos rebanhos (p=0,000 OR=3,45, IC95%=2,44-4,87). Os resultados evidenciam a ocorrência de N. caninum em rebanhos ovinos sergipanos, demonstrando o manejo e a localização dos rebanhos no estado como importantes fatores de risco.
Download / Visualização