Ano 2017 - Volume 37, Número 11


Título
Análise de aglomerados espaciais para paratuberculose bovina no Estado da Paraíba, Nordeste do Brasil, 37(11):1193-1197
Autores

Resumo
RESUMO.- Azevedo S.S., Vilar A.L.T., Santos C.S.A.B., Clementino I.J., Fernandes L.G. & Alves C.J. 2017. Spatial cluster analysis for bovine paratuberculosis in Paraiba State, Northeastern Brazil. [Análise de aglomerados espaciais para paratuberculose bovina no Estado da Paraíba, Nordeste do Brasil.] Pesquisa Veterinária Brasileira 37(11):1193-1197. Unidade Acadêmica de Medicina Veterinária, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande, Av. Universitária s/n, Cx. Postal 61, Santa Cecília, Patos, PB 58700-970, Brazil. E-mail: sergio@vps.fmvz.usp.br

O objetivo deste estudo foi identificar agrupamentos espaciais de rebanhos positivos para paratuberculose bovina no Estado da Paraíba, Nordeste do Brasil. O estado foi dividido em três grupos amostrais: estrato amostral 1 (mesorregião do Sertão), estrato amostral 2 (mesorregião da Borborema), e estrato amostral 3 (mesorregiões da Zona da Mata e Agreste). Dez animais foram amostrados em rebanhos com até 99 vacas com idade maior ou igual a 24 meses; 15 animais foram amostrados em rebanhos com 100 ou mais vacas com idade maior ou igual a 24 meses; e todos os animais foram amostrados naqueles rebanhos com até 10 vacas. No total, foram amostradas 2504 vacas com idade ≥24 meses de 480 rebanhos. Para a detecção de anticorpos anti-Mycobacterium avium subsp. paratuberculosis (MAP) foram utilizados kits do teste imunoenzimático indireto (ELISA). Um rebanho foi considerado positivo para paratuberculose se apresentasse pelo menos um animal positivo em rebanhos de até 24 fêmeas, e dois animais positivos em rebanhos com mais de 24 fêmeas. Os agrupamentos espaciais foram avaliados com o uso da metodologia k-vizinhos mais próximos de Cuzick-Edwards e estatística espacial de varredura. Dois agrupamentos significativos de rebanhos positivos foram detectados na parte norte da mesorregião da Borborema, uma região de fronteira com o Estado do Rio Grande do Norte onde há intenso movimento de animais de diferentes locais sem o conhecimento do estado sanitário desses animais. Tendo em vista que os testes sorológicos para diagnóstico de MAP não são amplamente disponíveis e muito caros, bem como é comum na região a reposição e manutenção dos rebanhos por compra de animais, conclui-se que medidas de prevenção devem ser aplicadas em nível de rebanho.
Download / Visualização