Ano 2017 - Volume 37, Número 11


Título
Fibrose pulmonar multinodular em equinos no Sul do Rio Grande do Sul: patologia e diagnóstico diferencial, 37(11):1247-1252
Autores

Resumo
RESUMO.- Estima-Silva P., Marcolongo-Pereira C., Santos B.L., Coelho A.C.B., Amaral L.A., Lim A., Bolin S.R. & Schild A.L. 2017. Equine multinodular pulmonary fibrosis in southern Brazil: pathology and differential diagnosis. [Fibrose pulmonar multinodular em equinos no Sul do Rio Grande do Sul: patologia e diagnóstico diferencial.] Pesquisa Veterinária Brasileira 37(11):1247-1252. Laboratório Regional de Diagnóstico, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal de Pelotas, Campus Universitário s/n, Pelotas, RS 96010-900, Brazil. E-mail: alschild@terra.com.br

Descreve-se a fibrose multinodular pulmonar equina (EMPF) diagnosticado no Laboratório Regional de Diagnóstico da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal de Pelotas. Foram discutidos a patologia da doença e os aspectos diferenciais de outras enfermidades pulmonares de equinos que cursam com pneumonia e fibrose intersticial. A doença ocorreu em um equino sem raça definida de 15 anos de idade que apresentou sinais clínicos de dificuldade respiratória febre intermitente, anorexia e dispneia, com evolução de aproximadamente 10 dias. Macroscopicamente havia aumento de volume dos pulmões e nódulos esbranquiçados, pálidos, firmes e bem delimitados, de aproximadamente 7-10 cm de diâmetro, distribuídos pelo parênquima. Histologicamente, o tecido pulmonar apresentava nódulos caracterizados pela presença de espaços alveolares, com paredes revestidas por epitélio cuboidal achatado, contendo macrófagos e neutrófilos e havia, também, linfócitos e hiperplasia de pneumócitos tipo II e eventualmente células gigantes multinuacleadas. O interstício estava acentuadamente espessado por tecido conjuntivo fibroso maduro e por colágeno. Havia corpúsculos de inclusão intranucleares em macrófagos. A técnica de PCR para detecção do DNA de herpes vírus equino-5 (EHV-5) resultou positiva. Em um estudo retrospectivo de casos de pneumonia com fibrose intersticial diagnosticados no LRD entre 2000 e 2015, dois equinos apresentaram lesões macroscópicas e histológicas similares às de EMPF, porém resultaram negativos na PCR para detecção de EHV-5. Quatro casos de pneumonia com fibrose do tecido intersticial apresentaram padrão histológico diverso da EMPF descartando-se a possibilidade de tratar-se da doença. Conclui-se que EMPF é uma enfermidade esporádica, no entanto deve ser levada em consideração em casos de doença respiratória em equinos. A descrição dos casos diagnosticados é importante para alertar técnicos sobre a ocorrência da mesma no Brasil. É necessário estabelecer o real papel do EHV-5 na patogenia da doença. Casos de fibrose pulmonar semelhantes à EMPF em que não esteja presente o vírus, devem ser estudados a fim de ficar estabelecido se poderia ser uma forma idiopática da mesma doença.
Download / Visualização