Ano 2017 - Volume 37, Número 11


Título
Descrição anatômica da região cervical e aparato hioide em espécimes vivos de tamanduá-bandeira, Mymercophaga tridactyla Linnaeus, 1758, 37(11):1345-1351
Autores

Resumo
RESUMO.- Borges N.C., Nardotto J.R.B., Oliveira R.S.L., Rüncos L.H.E., Ribeiro R.G. & Bogoevich A.M. 2017. Anatomy description of cervical region and hyoid apparatus in living giant anteaters Myrmecophaga tridactyla Linnaeus, 1758. [Descrição anatômica da região cervical e aparato hioide em espécimes vivos de tamanduá-bandeira, Mymercophaga tridactyla Linnaeus, 1758.] Pesquisa Veterinária Brasileira 37(11):1345-1351. Setor de Diagnóstico por Imagem, Escola de Veterinária e Zootecnia, Universidade Federal de Goiás, Campus Samambaia, Cx. Postal 131, Goiânia, GO 74001-970, Brazil. E-mail: naidaborges@yahoo.com.br

O Tamanduá-Bandeira possui adaptações anatômicas específicas, devido aos hábitos alimentares de ingestão de formigas e cupins. O arranjo singular do aparato hioide dos tamanduás é fundamental para a ingestão de alimentos. Sua descrição na literatura é baseada em peças e fósseis, o que dificulta a determinação de detalhes anatômicos existentes em animais vivos. As técnicas de imagem permitem a avaliação da anatomia topográfica dos animais, de maneira não invasiva, e o conhecimento desta é fundamental para o diagnóstico e prognóstico de afecções. O objetivo desse trabalho foi descrever o contorno ósseo do aparato hioide do tamanduá-bandeira, por meio de imagens radiográficas e tomográficas. Foram utilizados tamanduás-bandeiras provenientes do Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS-GO), sendo sete, de variadas idades, para os exames radiográficos e dois adultos para os tomográficos. Os elementos hioideos foram avaliados em todos os animais por meio de ambas as técnicas de imagem, sendo visibilizados na região cervical, de C2 até C6, composto por três elementos pares (estiloioide, epioide, ceratioide) e um elemento ímpar (basitireoide). A presença de ar na orofaringe permitiu a avaliação das estruturas de tecidos moles desta região, como a epiglote e o palato mole. Os cortes tomográficos axiais têm importância limitada na avaliação dos hioides, mas permitem a avaliação do basitireoide e de seu formato característico (V-bone). Desta forma, para avaliar a região hioidea por meio dos exames radiográficos e tomográficos em tamanduás-bandeira, deve-se considerar que os ossos estiloioide, epioide e ceratioide localizam-se ventral às vértebras C2 até C5 e o basitireoide, em C5-C6, delimita a transição entre a nasofaringe e a traqueia. A orofaringe e a nasofaringe estendem-se de C1 a C5, e a traqueia inicia-se a partir de C6.
Download / Visualização