Ano 2009 - Volume 29, Número 11


Título
Práticas de manejo sanitário e frequência de doenças em ovinos leiteiros na Argentina, 29(11):931-937
Autores

Resumo
RESUMO.- Suárez V.H. & Busetti M.R. 2009. Health management practices and disease prevalence in dairy sheep systems in Argentina. Pesquisa Veterinária Brasileira 29(11):931-937. Estación Experimental Agropecuaria de Anguil, INTA, CC 11, 6326 Anguil, La Pampa, Argentina. E-mail: vsuarez@anguil.inta.gov.ar

Foi realizado um levantamento longitudinal em 19 fazendas de ovinos leiteiros na Argentina com o objetivo de conhecer práticas de manejo, medidas sanitárias e ocorrência e freqüência das enfermidades. O levantamento incluiu 40% de todas as fazendas do país que produzem leite ovino. Um questionário foi utilizado com entrevistas pessoais com os ovinocultores durante visita às fazendas. A percentagem de fazendas que relataram vacinação rotineira contra clostridioses, ectima contagioso, pneumonia e administração parenteral de minerais e vitaminas foi 63%, 47,3%, 16,6% e 42,1%, respectivamente. Parte dos produtores (37,5%) realizava tratamento regularmente contra piolhos e 89,5% contra nematódeos gastrintestinais. O número médio de tratamentos anti-helmínticos anuais, por fazenda, era de 2,26+1,78. Em 68,4% dos rebanhos leiteiros o Califórnia Mastite Teste (CMT) era regularmente realizado e 55,6% dos produtores colhiam amostras de seus rebanhos uma vez por ano para diagnóstico de Brucella ovis. Durante o período de pré-acasalamento 68,4% e 50% dos produtores examinavam clinicamente seus carneiros e a condição geral e de dentes de suas ovelhas. O úbere das ovelhas era geralmente inspecionado no início da ordenha. Os principais problemas parasitários eram nematódeos gastrintestinais (mencionado por 57,9% dos produtores), piolhos (57,9%) e sarna (10,5%) e as doenças infecciosas mais frequentes foram ectima contagioso (73,7%), pneumonia e outros problemas respiratórios (57,9%), mastite clínica (55,6%), clostridioses (36,9%) e laminite (35,2%). Fotossensibilização (47,4%) e acidose ruminal (42,1%) foram relatadas como as principais desordens tóxicas ou metabólicas. Na visão dos produtores, a expectativa de vida produtiva ou o tempo de produção de leite por ovelha era de 4,5+1,4 anos. A mortalidade perinatal foi de 8,5% e a taxa de mortalidade total do rebanho, depois das primeiras 24 horas de vida, foi de 6,9%. As altas taxas de mortalidade de cordeiros durante os períodos de pré-desmame (10,3%) e pós-desmame (5,9%) indicam que isto, assim como as doenças mais prevalentes, deve ser tema de mais estudos.
Download / Visualização