Ano 2011 - Volume 31, Número 2


Título
Diagnose of the ingestion of Asclepias mellodora St. Hil. by sheep through microhistological analysis of their digestive contents, 31(2):111-116
Autores

Resumo
RESUMO.- Cid M.S., Indurain C., Odriozola E., Brizuela M.A. & Lauge M. 2011. Diagnose of the ingestion of Asclepias mellodora St. Hil. by sheep through microhistological analysis of their digestive contents. [Diagnose da ingestão de Asclepias mellodora St. Hil. por ovinos através da análise micro-histológica de seu conteúdo digestivo.] Pesquisa Veterinária Brasileira 31(2):111-116. Animal Production Department, Balcarce Integrated Unit (Faculty of Agricultural Sciences, Mar del Plata National University - Balcarce Experimental Station, National Institute of Agricultural Technology), Ruta 226 Km 73.5, cc 276 (7620) Balcarce, Agentina. E-mail: scid@balcarce.inta.gov.ar

Asclepias mellodora St. Hil. é uma espécie nativa de aguda toxicidade, frequente nos campos da província de Buenos Aires, Argentina. A sua toxicidade não foi avaliada até agora. Este estudo avalia a dose mínima letal desta espécie, para os ovinos, bem como a possibilidade de reconhecer microscopicamente seus fragmentos no conteúdo gastrointestinal como uma ferramenta complementar de diagnóstico em necropsias. Três ovinos Frisona (PV média = 55±4,5 kg) foram dosados através de uma sonda esofágica em cada uma das seguintes doses de Asclepias: 8,0, 5,0, 2,0 e 0,8 g DM.kg PV-1. Ovinos intoxicados com as três maiores doses morreram entre 10-85 h após a intoxicação, mas não aqueles que receberam a dose menor. Durante as necropsias se: 1) determinou o peso seco do conteúdo do rúmen + retículo, omaso + abomaso e intestino grosso, 2) estimou as porcentagens de fragmentos de Asclepias por microanálise, fazendo a correção para efeitos de digestão no reconhecimento dos fragmentos, e 3) calculou a massa total de Asclepias no trato digestivo de cada animal. Para as três doses maiores, a massa de Asclepias identificada na ingesta total foi de 12,3±3,4% da quantidade fornecida, possivelmente por causa da forte diarréia produzida pela sua ingestão. As porcentagens de Asclepias no rúmen + retículo não diferiram da média quantificada para o trato completo. Os resultados deste estudo indicam que a dose letal mínima de Asclepias em ovinos é de entre 2,0 e 0,8 g kg PV • DM-1, e que a análise micro-histológica do rúmen + retículo, a região mais fácil de amostrar, pode ser usada para confirmar a ingestão desta espécie tóxica, embora a percentagem estimada não será um bom estimador da porcentagem ingerida.
Download / Visualização