Ano 2011 - Volume 31, Número 6


Título
Fatores de risco associados à mastite bubalina no Nordeste brasileiro, 31(6):499-504
Autores

Resumo
RESUMO.- Medeiros E.S., Freitas M.F.L., Saukas T.N., Azevedo S.S., Pinheiro Junior J.W., Brandespim D.F., Souza Neto O.L. & Mota R.A. 2011. Risk factors associated with buffalo mastitis in the Brazilian Northeast. [Fatores de risco associados à mastite bubalina no Nordeste brasileiro.] Pesquisa Veterinária Brasileira 31(6):499-504. Laboratório de Doenças Infecto-Contagiosas dos Animais Domésticos, Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Rua Dom Manoel de Medeiros s/n,Dois Irmãos, Recife, PE 52171-900, Brazil. E-mail: rinaldo.mota@hotmail.com

Foram estudados os fatores de risco para mastite subclínica em 474 búfalas procedentes de quatro propriedades de exploração leiteira situadas nos Estados de Pernambuco, Alagoas, Bahia e Ceará. Amostras de leite (n=1896) de búfalas em lactação foram examinadas para contagem de células somáticas (CCS) e exame microbiológico, e um questionário constituído de perguntas objetivas foi aplicado para obtenção de dados dos animais e do manejo do rebanho. A análise dos fatores de risco foi efetuada em duas eta-pas: análise univariada e multivariada. Foram realizadas duas análises, uma considerando a classificação dos animais quanto à CCS como variável dependente (<400.000 – negativo; > 400.000 – positivo) e outra considerando o resultado do exame microbiológico (positivo e negativo). Na análise multivariada considerando-se a CCS como variável dependente a única variável identificada como fator de risco foi não lavar os tetos antes da ordenha, onde aquelas propriedades que não lavavam os tetos antes da ordenha apresentaram o risco de infecção de 2,68 (I.C. 1,49-4,83). Na análise multivariada considerando o microbiológico como variável dependente constatou-se que aquelas propriedades que realizavam limpeza manual do equipamento de ordenha apresentavam um risco 1,85 (I.C. 1,32-3,64) maior do que aquelas propriedades que realizavam esta limpeza de forma mecânica (p=0,019). Os fatores de risco para ocorrência de mastite subclínica em báfalas leiteiras em propriedades na região nordeste do Brasil foram relacionados às características de manejo inadequado da ordenha. Os fatores de risco identificados nesse estudo devem ser cuidadosamente corrigidos para reduzir a frequência de casos de mastite e assim contribuir para o controle e prevenção da doença nos rebanhos.
Download / Visualização