Ano 2011 - Volume 31, Número 6


Título
Estudo caso- controle pareado avaliando a frequência dos principais agentes causadores de diarréia neonatal em suínos no Rio Grande do Sul, 31(6):505-510
Autores

Resumo
RESUMO.- Lippke R.T., Borowski S.M., Marques S.M.T., Paesi S.O., Almeida L.L., Moreno A.M., Zlotowski P., Corbellini L.G. & Barcellos D.E.S.N. 2011. Matched case-control study evaluating the frequency of the main agents associated with neonatal diarrhea in piglets. [Estudo caso- controle pareado avaliando a frequência dos principais agentes causadores de diarréia neonatal em suínos no Rio Grande do Sul.] Pesquisa Veterinária Brasileira 31(6):505-510. Setor de Suínos, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: davidbarcellos@terra.com.br

Um estudo de caso-controle em leitegadas de um a sete dias de idade foi realizado com o objetivo de identificar os principais agentes infecciosos envolvidos na diarreia neonatal de leitões. As amostras de fezes (n=276) foram coletadas em granjas de suínos no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil, no período de maio a setembro de 2007. Leitegadas com diarreia foram consideradas casos (n=147) e leitegadas normais, controles (n=129). As amostras foram examinadas através do teste de aglutinação em látex, PAGE, cultivo, ELISA, PCR e métodos microscópicos para a excreção dos principais agentes de diarreia: virais (rotavirus), bacterianos (Escherichia coli, Clostridium perfringens tipos A e tipo C e Clostridium difficile) e parasitários (coccídeos e Cryptosporidium spp.). Durante o período do estudo não foram observados surtos e a diarréia, quando presente, apresentou-se leve. Pelo menos um agente foi identificado nas amostras fecais de 25 entre 28 granjas (89,3%) analisadas e em 16 granjas (57,1%) mais de um agente foi detectado. Os principais agentes encontrados nas granjas foram coccídeos (42,86%) e rotavírus (39,29%). Os principais agentes detectados nas leitegadas com diarreia foram Clostridium difficile (10,6%), Clostridium perfringens tipo A (8,8%) e rotavírus (7,5%). Por outro lado, nas leitegadas controle os agentes mais prevalentes foram Clostridium difficile (16,6%) e coccídeos (8,5%). E. coli Beta hemolítica e Clostridium perfringens tipo C não foram detectados. O presente estudo de caso-controle demonstrou que nenhum agente infeccioso esteve associado significativamente com diarreia (p>0.05). Esses achados reforçam a necessidade de que haja cuidado na interpretação de resultados de exames laboratoriais em materiais coletados de leitões com diarreia neonatal leve, pois a detecção isolada de um agente infeccioso não indica necessariamente que o mesmo seja a causa do problema.
Download / Visualização