Ano 2011 - Volume 31, Número 8


Título
Fatores de risco associados à frequência de anticorpos contra Babesia bovis e B. bigemina em bovinos da Região Sul de Moçambique, 31(8):663-666
Autores

Resumo
RESUMO.- Tembue A.A.M., Silva F.J.M., Silva J.B., Santos T.M., Santos H.A., Soares C.O. & Fonseca A.H. 2011. Risk factors associated with the frequency of antibodies against Babesia bovis and Babesia bigemina in cattle in southern Mozambique. [Fatores de risco associados à frequência de anticorpos contra Babesia bovis e B. bigemina em bovinos da Região Sul de Moçambique.] Pesquisa Veterinária Brasileira 31(8):663-666. Laboratório de Doenças Parasitárias, Departamento de Parasitologia Animal, Universidade Federal Rural de Rio de Janeiro, Seropédica, RJ 23890-000, Brazil. E-mail: adivaldo@ufrrj.br

Foram avaliados os fatores de risco associados a frequência de anticorpos da classe IgG contra Babesia bovis e B. bigemina em bovinos da região sul de Moçambique. Oitocentos e nove amostras de soros foram coletadas de bovinos em três províncias nomeadamente Maputo, Gaza e Inhambane e testados por ensaio de imunoadsorção enzimático indireto (i-ELISA) para avaliar a resposta imune humoral contra B. bovis e B. bigemina. O teste de Qui-quadrado a 5% de significância foi utilizado para verificar a associação entre as variáveis sexo, faixa etária e origem geográfica com a soropositividade dos animais. A prevalência geral foi de 78,8% (548/695) para B. bovis e 76,0% (528/695) para B. bigemina. A origem dos animais apresentou associação (p<0,05) com a soropositividade a ambos os agentes, enquanto variável sexo não apresentou associação (p>0,05). A província de Maputo apresentou a maior taxa de animais positivos, com 93,7% (118/126) para B. bovis e 97,6% (123/126) para B. bigemina. Na província de Gaza a soropositividade foi de 67,5% (280/415) para B. bigemina e 77,3% (321/415) para B. bovis enquanto que na província de Inhambane a positividade foi de 81,2% (125/257) e 70,8% (109/257) para B. bigemina e B. bovis, respectivamente. Na presente pesquisa, a freqüência de bovinos positivos para B. bovis e B. bigemina aumentou nas faixas etárias superiores, sugerindo que as infecções e as re-infecções persistem mesmo após primo-infecção. A região estudada apresenta-se na condição de estabilidade enzoótica para os agentes estudados.
Download / Visualização