Ano 2011 - Volume 31, Número 9


Título
Sistematização, descrição e território da artéria cerebral caudal no cérebro do jacaré do papo-amarelo (Caiman latirostris), 31(9):817-822
Autores

Resumo
RESUMO.- Almeida L. & Campos R. 2011. Systematization, description and territory of the caudal cerebral artery of the brain in broad-snouted Caiman (Caiman latirostris). [Sistematização, descrição e território da artéria cerebral caudal no cérebro do jacaré do papo-amarelo (Caiman latirostris).] Pesquisa Veterinária Brasileira 31(9):817-822. Setor de Anatomia Animal, Departamento de Ciências Morfológicas, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 90540-000, Brazil. E-mail: l.almeida@terra.com.br

Foram utilizadas trinta cabeças com o segmento de pescoço de Caiman latirostris. Os animais eram provenientes do Criatório Mister Caiman sob a autorização do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Os animais foram sacrificados de acordo com as normas de rotina de abate do frigorífico e as cabeças foram seccionadas na altura da terceira vértebra cervical. O sistema arterial foi lavado com solução salina 0.9% resfriada, com drenagem pelas veias jugulares. Em seguida, o sistema foi preenchido com injeção de látex, corado em vermelho As peças foram então fixadas em formaldeído a 20.0% por sete dias. O cérebro foi removido, com um segmento de medula espinhal, a dura-máter retirada e as artérias dissecadas. Na altura da hipófise, a artéria carótida interna emitiu um ramo rostral e, um curto ramo caudal, continuando-se naturalmente, como artéria cerebral caudal. Esta se projetou látero-dorsalmente e ao sobrepassar o trato óptico, emitiu seu I (primeiro) ramo central. Penetrou na fissura transversa do cérebro, lançando a artéria diencefálica e a seguir seu II (segundo) ramo central. Ainda dentro da fissura originou ramos hemisféricos occipitais, e um ramo pineal. Emergiu da fissura transversa do cérebro, no pólo occipital do hemisfério cerebral. Projetou-se rostralmente, sagital a fissura longitudinal do cérebro, como artéria interhemisférica. Esta artéria lançou ramos hemisféricos convexos e mediais para as respectivas faces dos hemisférios cerebrais, anastomosou-se com sua homóloga contralateral, formando uma artéria etmoidal comum. Esta mergulhou na fissura entre os pedúnculos olfatórios emergindo ventralmente e, dividindo-se em artérias etmoidais, direita e esquerda, as quais progrediram para as cavidades nasais, vascularizando-as. O território da artéria cerebral caudal compreendeu a área mais caudal da base do hemisfério cerebral, sua face convexa, os pendúculos e bulbos olfatórios, plexo corióides e o diencéfalo com seus órgãos parietais.
Download / Visualização