Ano 2011 - Volume 31, Número 11


Título
Anticorpos anti-Rickettsia spp. em capivaras de vida livre e de cativeiro no Sul do Brasil, 31(11):1014-1018
Autores

Resumo
RESUMO.- Fortes F.S., Santos L.C., Cubas Z.S., Barros-Filho I.R., Biondo A.W., Silveira I., Labruna M.B. & Molento M.B. 2011. Anti-Rickettsia spp. antibodies in free-ranging and captive capybaras from southern Brazil. [Anticorpos anti-Rickettsia spp. em capivaras de vida livre e de cativeiro no Sul do Brasil.] Pesquisa Veterinária Brasileira 31(11):1014-1018. Departamento de Medicina Veterinária, Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Rua dos Funcionários 1540, Juvevê, Curitiba, PR 80035-050, Brazil. E-mail: molento@ufpr.br

As capivaras (Hydrochaeris hydrochaeris) estão entre os principais hospedeiros do carrapato Amblyomma spp., o qual pode transmitir algumas espécies de riquétsias para seres humanos e animais. Como são frequentemente infestadas por carrapatos vetores potenciais, as capivaras podem ser usadas como sentinelas para riquetsioses, como a Febre Maculosa Brasileira. O objetivo do presente estudo foi determinar a soroprevalência de Rickettsia spp. por meio da reação de Imunofluorescência Indireta (RIFI) em 21 capivaras de vida livre e 10 capivaras de cativeiro do Zoológico do Refúgio Biológico Bela Vista, Itaipu Binacional, Foz do Iguaçu, Brasil. Antígenos de seis espécies de riquétsias já identificadas no Brasil (Rickettsia rickettsii, R. parkeri, R. bellii, R. rhipicephali, R. amblyommii e R. felis) foram utilizados para a RIFI. Carrapatos de cada capivara foram coletados para posterior identificação taxonômica. Um total de 19 (61,3%) amostras reagiu a pelo menos uma das espécies testadas. Foi encontrada soropositividade em 14 (45,2%), 12 (38,7%), 5 (16,1%), 4 (12,9%), 3 (9,7%) e 3 (9,7%) animais para R. rickettsii, R. bellii, R. parkeri, R. amblyommii, R. felis e R. rhipicephali, respectivamente. Duas capivaras de cativeiro apresentaram títulos sugestivos de infecção por R. rickettsii e uma amostra apresentou reação homóloga frente à R. parkeri. Apenas uma capivara de vida livre apresentou evidência de infecção por R. bellii. Os carrapatos coletados sobre as capivaras foram identificados como Amblyomma dubitatum e Amblyomma sp. Os resultados evidenciam a circulação de riquétsias na região, sugerindo uma potencial participação da capivara no ciclo de vida desta bactéria.
Download / Visualização