Ano 2012 - Volume 32, Número 4


Título
Nefrite intersticial em suínos abatidos no Estado de Mato Grosso, 32(4):303-318
Autores

Resumo
RESUMO.- Oliveira Filho J.X., De Paula D.A.J., Morés N., Pescador C.A., Ciacci-Zanella J.R., Coldebella A., Dutra V. & Nakazato L. 2012. Interstitial nephritis of slaughtered pigs inthe State of Mato Grosso, Brazil. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(4):303-318. Laboratório de Microbiologia Veterinária e Biologia Molecular, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade Federal de Mato Grosso, Av. Fernando Corrêa da Costa 2367, Bairro Boa Esperança, Cuiabá, MT 78060-900, Brazil. E-mail: lucnak@ufmt.br

O propósito desse estudo foi avaliar as lesões histológicas observadas em rins condenados por nefrite pelo Serviço de Inspeção Federal, em dois frigoríficos de Mato Grosso, Brasil. Foram coletados 400 rins condenados por nefrite e submetidos aos exames de histologia, imuno-histoquímica (IHC) para Circovirus suíno Tipo 2 (PCV2), imunofluorescência direta (IF) para Leptospira sp. e reação em cadeia pela polimerase (PCR) para detecção de PCV2, Parvovirus suíno (PPV) e Torque teno vírus Tipo 1 e 2 (TTV1 e TTV2). Foram observadas lesões histológicas em 81% das amostras, sendo nefrite intersticial mononuclear a mais freqüente (77,50%). Das lesões de nefrite intersticial encontradas, 40,97% apresentaram padrão folicular. Através da PCR foi observada ampla distribuição dos agentes (PCV2, PPV, TTV1 e TTV2) nas propriedades e municípios, com ocorrência de 27,25%, 28,50%, 94% e 87,50%, respectivamente. Leptospira sp. não foi detectada através da IF. Houve associação significativa da infecção do PCV2 com presença de lesão histológica (P=0,008) e de células gigantes (P=0,0016). Também houve associação entre a co-infecção TTV2 e TTV1 (P<0,0001). Esses achados indicam que os vírus PCV2, PPV, TTV1 e TTV2 devem ser considerados no diagnóstico diferencial de rins com nefrite intersticial em suínos.
Download / Visualização