Ano 2012 - Volume 32, Número 5


Título
Impacto de nematódeos gastrointestinais ivermectina-resistentes em bovinos em confinamento na Argentina, 32(5):419-423
Autores

Resumo
RESUMO.- Fazzio L.E, Yacachury N., Galvan W.R., Peruzzo E., Sanchez R.O. & Gimeno E.J. 2012. Impact of ivermectin-resistant gastrointestinal nematodes in feedlot cattle in Argentina. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(5):419-423. Facultad de Ciencias Veterinarias, Universidad Nacional de La Plata, calle 60 y 118, CC 296, B1900AVW, La Plata, Argentina. E-mail: fazzio@fcv.unlp.edu.ar

O objetivo deste trabalho foi avaliar durante 75 dias o impacto sobre a produção da carga de parasita-ivermectina (IVM) resistentes remanescentes em bezerros naturalmente infectados no confinamento. Os rebanhos são provenientes de áreas infestadas por carrapatos, onde o uso sistemático de IVM para o controle do carrapato aumenta a resistência de parasita gastrintestinais a esta droga. Este trabalho foi realizado em dois confinamentos comerciais na província de Buenos Aires. Na fazenda A, dois grupos de 35 animais cada receberam IVM 1% e ricobendazole (RBZ) 10%, respectivamente. O mesmo foi feito no confinamento B. No dia 0, dois grupos de 35 animais foram feitos nas fazendas A e B. As amostras fecais foram tomadas nos dias 0, 22, 54 e 75 pós-tratamento (PT) e o peso corporal foi registrado, de cada animal. Amostras fecais foram processadas para a contagem individual de ovos por grama (EPG). Amostras fecais foram agrupadas para a identificação do gênero parasitária. O teste de redução de ovos fecais (TROF) foi calculado no dia 22 PT. O desenho do estudo utilizado foi aquele dos blocos inteiramente randomizados, sendo confinamento comercial e sexo as variáveis de bloco. Para a análise dos dados, um modelo misto do programa estatístico SAS foi utilizado. A média TROF no dia 22 foi de 28,4% no grupo IVM e 94,2% no grupo RBZ. A partir desta data, diferenças significativas na EPG foram mantidas até o dia 54. Contas de OPG só foram iguais perto do fim do estudo, no dia 75 (p=0,16). Em ambos os confinamentos comerciais, especialmente no grupo IVM, Cooperia spp. foram os parasitos mais prevalentes nas culturas fecais. Diferenças significativas no peso (P<0,01) 75 dias pós-tratamento foram encontradas entre o peso médio nos grupos RBZ e IVM (246 vs 238 kg, respectivamente), o que significa uma diferença de 8,3% nos ganhos. A importância para a produção no tratamento da insuficiência antiparasitários em confinamento comercial foi demonstrada, bem como a necessidade de controles pós-tratamento para avaliar a eficácia dos antiparasitários administrados é enfatizada.
Download / Visualização