Ano 2012 - Volume 32, Número 8


Título
Toxicidade das larvas de Perreyia flavipes, 32(8):735-738
Autores

Resumo
RESUMO.- Raymundo D.L., Bezerra Jr P.S., Bandarra P.M., Dalto A.G.C., Soares M.P., Cruz C.E.F. & Driemeier D. 2012. Perreyia flavipes larvae toxicity. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(8):735-738. Setor de Patologia Veterinária, Departamento de Patologia Clínica Veterinária, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 95320-000, Brazil. E-mail: djeison.raymundo@dmv.ufla.br

Larvas frescas ou descongeladas de Perreyia flavipes foram moídas e misturadas com água e administradas de forma oral a ovinos. Com 5mg/kg, não foram observados achados clínicos ou enzimáticos. Doses únicas de 7,5 e 10mg/kg induziram a sinais clínicos característicos de intoxicação pelas larvas de Perreyia sp., os níveis de GGT e AST estavam aumentados e as curvas glicêmicas estavam diminuídas. Entretanto, doses de 5, 10 e 15mg/kg repetidas em intervalos de 30 ou 15 dias não causou doença ou causou doença discreta seguida de morte, respectivamente. Estes achados indicam que estes animais provavelmente desenvolveram algum grau de tolerância para as toxinas presentes nas larvas de P. flavipes. O exame ultraestrutural do fígado revelou proliferação do retículo endoplasmático liso de hepatócitos, o que pode ser associado a um aumento na capacidade de metabolizar toxinas e conseqüentemente levar à tolerância observada no presente estudo. Outras investigações poderão esclarecer se os efeitos de tal tolerância poderiam ser aplicados como medida de controle da intoxicação por P. flavipes ou outras doenças hepatotóxicas. Além disso, os resultados clínico-patológicos foram discutidos.
Download / Visualização