Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa Albuquerque P.V

#1 - Description of brachial plexus of sloth (Bradypus variegatus)

Abstract in English:

The species Bradypus variegatus is known as the common sloth, an endemic mammal from neotropical regions, which has been suffering from devastating anthropogenic activities. Our study aimed to describe the brachial plexus of B. variegates, regarding the origin and distribution of nerves, through the sampling of 10 adult females. Analyses were carried out at the Anatomy Section, “Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal”, “Universidade Federal Rural de Pernambuco”, under license no. 034/2015 of the Ethics Committee on the Use of Animals. The results determined that the brachial plexus of the common sloth starts from the fifth cervical spine segment until the second thoracic segment. This area contains the long and suprascapular thoracic nerves, which originate immediately from the medullary segment 5 and 6, respectively, and from the pectoral, subscapular, axillary, radial, musculocutaneous, medial, forearm and ulnar medial cutaneous nerves, arising from a trunk comprised of cervical spine nerves (C) 7, C8, C9, and thoracic (T) 1 and T2. Regarding other wild and domestic animals, different suggestions were observed about the origin of the plexus in B. variegatus, however, the constituent nerves and their innervation areas did not demonstrate any discrepancies.

Abstract in Portuguese:

A espécie Bradypus variegatus é conhecida como preguiça-comum. Trata-se de um mamífero endêmico de regiões neotropicais que vem sofrendo com a ação antrópica devastadora. Esses Bradipodídeos possuem três dedos nos membros torácicos e pélvicos, são arborícolas consagrados e descem ao solo apenas para excretar e trocar de árvore. O estudo teve como objetivo descrever o plexo braquial de B. variegatus em relação à origem e distribuição dos nervos. Para tal, utilizou-se 10 fêmeas adultas. As análises foram realizadas no Pavilhão de Anatomia do Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal da Universidade Federal Rural de Pernambuco, sob a licença nº 034/2015 do Comitê de Ética no Uso de Animais. Os cadáveres foram obtidos após morte natural, fixados em formaldeído a 20%, conservados em solução salina a 30% em tanques e dissecados para a visualização dos nervos destinados a inervar os membros e músculos torácicos. Uma vez feito, constatou-se que o plexo braquial da preguiça-comum se origina do quinto segmento espinal cervical, se estendendo até o segundo segmento torácico. Sendo formado pelos nervos torácico longo e supraescapular, de origem imediatamente do segmento medular 5 e 6, respectivamente, e pelos nervos peitorais, subescapulares, axilar, radial, musculocutâneo, mediano, cutâneo medial do antebraço e ulnar, decorrentes de um tronco formado a partir de nervos espinais cervicais (C) 7, C8, C9, e torácicos (T) 1 e T2. Em comparação a outros animais silvestres e domésticos foram observadas diferentes disposições em relação à origem do plexo de B. variegatus, todavia, os nervos constituintes e suas áreas de inervação não apresentaram discrepâncias.


#2 - Macroscopic morphological aspects, ecometry and rebound tonometry of the eye bulb in sloth (Bradypus variegatus)

Abstract in English:

The field related to the visual system of wild animals is deeply scarce. Settling anatomical and physiological parameters for these animals is still a descriptive vision for Bradypus variegatus (Schinz, 1825). Thus, our research aimed to determine patterns of normal eye for this species. For this purpose, eight eye bulbs were dissected from the carcasses obtained by natural death, and then performed an overview of ocular anatomical. Rebound tonometry (RBT) and ocular B-mode ultrasonography were also applied for eight eyes in four animals from “Parque Estadual Dois Irmãos”, situated in the city of Recife, state of Pernambuco (PE), to estimate the intraocular pressure and ocular ecobiometry. The ocular morphology of sloth is similar as described for other species, however, with some peculiarities. They present a third eyelid emerging in the nasal region of the inferior conjunctival sac and retina and also contain little differentiated blood vessels. Medium the intraocular pressure (IOP) was 4.25mmHg with no difference for both eyes. Ultrasonography of ocular anatomy is also similar regarding other species. Ecobiometric patterns were evaluated to determine the anterior chamber depth, lens width, vitreous chamber depth, and axial length (AL) of ocular globe and the averaged as shown 0.63±1.11mm, 3.73±0.24mm, 6.15±0.41mm, 3.70±0.27mm, and 8.48±0.22mm, respectively. There was no difference between the right and left eyes. The RBT and ocular B-mode ultrasonography are fast exams and easy for animal testing. This study contributed to the characterization of ocular anatomy as well as settling medium values of IOP and intraocular measures; however, further research on physiology and histology is necessary to better understand the visual function of the species.

Abstract in Portuguese:

O campo de estudo relacionado ao sistema visual de animais silvestres é muito escasso. Estabelecer parâmetros anatômicos e fisiológicos para estes animais ainda está restrito a uma visão descritiva, assim ocorre em Bradypus variegatus (Schinz, 1825). Diante deste fato, objetivou-se com este estudo determinar padrões de normalidade oftálmica nesta espécie. Para isto foram dissecados oito bulbos oculares de cadáveres obtidos por morte natural e realizada a descrição anatômica ocular. Além disso, foram realizadas tonometria de rebote (TonoVet®) e ultrassonografia em modo B em oito olhos de quatro animais provenientes do Parque Estadual Dois Irmãos, Recife/PE, para avaliação da pressão intraocular e realização da ecobiometria ocular. A anatomia ocular do bicho-preguiça é semelhante à descrita para outras espécies com algumas particularidades. Apresentam uma terceira pálpebra emergindo na região nasal do saco conjuntival inferior e retina com vasos sanguíneos pouco diferenciados. A pressão intraocular média foi de 4,25mmHg não havendo diferença entre os olhos direito e esquerdo. A anatomia ocular ultrassonográfica é semelhante à encontrada para outras espécies. Os padrões ecobiométricos obtidos foram: profundidade da câmara anterior, espessura do cristalino, diâmetro do cristalino, profundidade da câmara vítrea e comprimento axial do bubo ocular com tamanhos médios de 0,63±1,11mm, 3,73±0,24mm, 6,15±0,41mm, 3,70±0,27mm e 8,48±0,22mm, respectivamente. Não houve diferença entre os olhos direito e esquerdo. A tonometria de rebote e a ultrassonografia ocular em modo B são exames de rápida e fácil execução, sendo bem tolerados pelos animais. Este estudo contribuiu para a caracterização anatômica ocular e para o estabelecimento de valores médios da pressão intraocular e das medidas intraoculares, no entanto são necessárias outras pesquisas na área da fisiologia e histologia para melhor compreensão da função visual da espécie.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV